Presidente da República deu posse a dez novos secretários de Estado

Presidente da República deu posse a dez novos secretários de Estado

 

Lusa/AOOnline   Nacional   17 de Out de 2018, 11:50

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu esta quarta-feira posse a dez novos secretários de Estado e reconduziu outros cinco, no âmbito da remodelação governamental iniciada na segunda-feira ao nível ministerial.

Numa cerimónia de cerca de dez minutos, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, tomaram posse como novos secretários de Estado Luís Goes Pinheiro (Adjunto e da Modernização Administrativa), Ana Pinto (Defesa Nacional), João Correia Neves (Economia), João Torres (Defesa do Consumidor), João Catarino (Valorização do Interior), Ângela Ferreira (Cultura), João Sobrinho Teixeira (Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), Francisco Ventura Ramos (Adjunto e da Saúde), Raquel Bessa de Melo (Saúde) e João Galamba (Energia).

Foram reconduzidos como secretários de Estado Ana Mendes Godinho (Turismo), José Mendes (Adjunto e da Mobilidade), Carlos Manuel Martins (Ambiente), Célia Ramos (Ordenamento do Território e Conservação da Natureza) e Ana Pinho (Habitação).

Durante a cerimónia, por lapso, Francisco Ventura Ramos começou a assinar antes de ler o auto de posse, situação que provocou sorrisos do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pela qual depois pediu desculpa.

Assistiram a esta cerimónia de posse, que terminou pelas 11h10 (menos uma nos Açores), o primeiro-ministro, António Costa, os ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, do Planeamento, Pedro Marques, do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Estiveram também presentes os novos ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, da Cultura, Graça Fonseca, e da Saúde, Marta Temido.

Pedro Siza Vieira, que já fazia parte do elenco ministerial como ministro Adjunto e que agora acumula essas funções com a pasta da Economia, esteve ausente por se encontrar doente, segundo fonte do Governo.

Terminada a cerimónia de posse, seguiu-se uma sessão de cumprimentos aos novos governantes, com uma longa fila, o que levou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, a observar para os jornalistas, à saída: "Ainda vão levar três horas aí".

Ao deixar o Palácio de Belém, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, foi questionado sobre o motivo que o levou a escolher o dirigente socialista João Galamba para a secretaria de Estado da Energia, mas remeteu declarações para mais tarde: "Falo depois".

João Galamba também não quis falar nesta ocasião. Interrogado sobre quando explicará publicamente os seus projetos para a pasta da Energia, respondeu: "Não hoje".

O primeiro-ministro, António Costa, deixou o Palácio de Belém pelas 11h20 (menos uma nos Açores), para viajar para Bruxelas, onde irá participar na reunião do Conselho Europeu e na 12.ª Cimeira Ásia-Europa.

Esta recomposição do XXI Governo Constitucional, chefiado por António Costa, abrangeu os ministérios da Defesa, da Economia, da Saúde, da Cultura, do Ambiente, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Presidência - pela saída de Graça Fonseca de secretária de Estado deste ministério para assumir as funções de ministra da Cultura.

Outros oito até agora secretários de Estado abandonaram o Governo nesta remodelação: Marcos Perestrello (Defesa), Miguel Honrado (Cultura), Paulo Ferreira (Economia), Ana Teresa Lehmann (Indústria), Jorge Seguro Sanches (Energia), Fernando Araújo (Adjunto e da Saúde), Rosa Matos Zorrinho (Saúde) e Maria Fernanda Rollo (Ciência, Tecnologia e Ensino Superior).

Na segunda-feira, o chefe de Estado deu posse aos novos ministros da Defesa Nacional, da Economia, da Saúde e da Cultura, Graça Fonseca, que substituíram nesses cargos, respetivamente, José Azeredo Lopes, Manuel Caldeira Cabral, Adalberto Campos Fernandes e Luís Filipe Castro Mendes.

Além disso, na sequência de uma alteração orgânica, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, tomou posse como ministro do Ambiente e da Transição Energética, pasta até então no Ministério da Economia.

Com esta remodelação, a terceira a nível ministerial e a mais abrangente desde a posse do executivo minoritário do PS, em 26 de novembro de 2015, o Governo ficou com menos um ministro, passando a ter 16, dos quais quatro mulheres, e com mais um secretaria de Estado, num total de 44.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.