Prejuízos da SINAGA duplicaram em 2012

Prejuízos da SINAGA duplicaram em 2012

 

Lusa/AO online   Regional   4 de Nov de 2013, 10:31

A fábrica de açúcar da SINAGA duplicou os prejuízos em 2012 e a sua atividade está cada vez mais "estrangulada" devido ao agravamento dos custos financeiros.

Isso mesmo reconhece o Conselho de Administração da SINAGA (empresa detida maioritariamente por capitais públicos regionais), no relatório de contas relativo a 2012, ano em que registou um saldo negativo de 3,3 milhões de euros, o dobro do verificado em 2011 (1,6 milhões de euros).

O abrandamento da atividade económica na Europa e a escassez de crédito são as razões apontadas pelos gestores da fábrica de açúcar para o mau desempenho financeiro do ano passado, apesar da quebra de 20% nos preços da matéria-prima.

"Não foi, todavia, possível à empresa aproveitar tal situação, por não estar tecnologicamente preparada para refinar açúcar bruto de cana", explica a administração, para quem o aumento da produção regional será a melhor forma de "colmatar a escassez de oferta disponível" no mercado das ramas de beterraba.

A unidade fabril, que produz açúcar a partir de ramas de beterraba, tem um esquipamento industrial "obsoleto" e "incompatível" com o necessário aumento da produção regional, tanto em matéria de transformação de beterraba local como de refinação das ramas importadas, segundo o relatório.

O estado de desgaste dos equipamentos e a falta de investimentos em peças de substituição obrigaram a SINAGA a suspender a laboração, no ano passado, por várias ocasiões, uma das quais durante dez dias consecutivos, devido a uma peça partida do difusor.

Por via disso, a empresa só efetuou uma refinação, durante todo o ano, de 1.540 toneladas de ramas, o que a obrigou a adquirir "900 toneladas de açúcar branco para abastecimento do mercado local".

A empresa pública contraiu ainda dois empréstimos bancários em 2012 (a somar aos outros 12 contraídos desde 1999), no valor de 3,4 milhões de euros, para fazer face à maioria das despesas.

O passivo da SINAGA aumentou de 16 milhões de euros em 2011 para 18,5 milhões em 2012, dos quais se destacam 6,7 milhões de dívidas à banca, 1,9 milhões a fornecedores e 1,5 milhões ao Estado.

Num comunicado divulgado a 18 de outubro, o Governo Regional revelou que o conjunto do setor empresarial público regional (que abrange mais de vinte empresas) teve prejuízos de 57 milhões de euros em 2012, menos do que no ano anterior, traduzindo-se "numa melhoria de 25% em relação a 2011".

Tiveram prejuízos os hospitais da região, a Portos dos Açores, a Lotaçor, a empresa de conservas Santa Catarina e a SINAGA.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.