PPM denuncia períodos de cortes de água na ilha do Corvo

PPM denuncia períodos de cortes de água na ilha do Corvo

 

Lusa/Ao online   Regional   10 de Nov de 2018, 10:33

O PPM denunciou esta sexta feira a existência de dois períodos de corte de água ao longo do dia na ilha do Corvo, Açores, pedindo a "intervenção das autoridades judiciais para apurar as responsabilidades pessoais do presidente da câmara municipal”.

Em nota enviada à imprensa, o deputado do PPM no parlamento açoriano, Paulo Estêvão, anexa um edital de hoje da autarquia única do Corvo no qual é referido que, "tendo em conta a fraca pluviosidade" na ilha, se apela ao "bom senso" dos corvinos na gestão da água, havendo cortes "nos próximos dias" entre as 13:30 e as 17:30 e as 21:00 e as 07:30.

"É preciso não ter um pingo de vergonha e agir com um sentimento total de impunidade. Fala em bom senso o homem que destruiu as reservas hídricas da ilha do Corvo ao longo de meses e meses de utilização de milhares de litros de água diários", acusa o PPM.

Os monárquicos advogam ter alertado "repetidamente, ao longo do último ano, a câmara do Corvo, o Governo Regional e a opinião pública para as consequências potencialmente devastadoras" do que dizem ser um "acordo de cavalheiros” existente entre o município e o consórcio Somague-Ediçor Engenharia, S.A., que “permitiu a esta empresa retirar gratuitamente milhares de litros diários de água dos reservatórios agrícolas e das lagoas artificiais" que abastecem a vila e os cidadãos da ilha, a mais pequena e menos populosa dos Açores, com cerca de 450 habitantes.

"Só no mês de agosto de 2018 é que a empresa deixou de se abastecer de água doce e passou a utilizar a água do mar, como devia ter feito desde o início", e, entretanto, "os reservatórios agrícolas secaram durante o verão, com exceção de um, apenas acessível a veículos com tração 4x4, afetando gravemente os agricultores da ilha", acrescenta a nota do deputado único do PPM na Assembleia Legislativa Regional.

A agência Lusa tentou hoje, sem sucesso, o contacto com o presidente da autarquia local, José Manuel Silva (PS).

Em setembro, José Manuel Silva disse que o consórcio em causa estava "a fazer a maior obra pública de que há memória na ilha do Corvo nos últimos anos”, o aumento do porto marítimo.

O presidente da Câmara Municipal do Corvo considerou então que as acusações feitas à época por Paulo Estêvão se enquadravam numa “estratégia política que foi desde a greve de fome até ao ataque sistemático nas redes sociais” e que o deputado procurava “gerar um clima claramente intimidatório”.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.