Portugueses no Brasil tentam preservar tradições portuguesas no Natal

Portugueses no Brasil tentam preservar tradições portuguesas no Natal

 

Lusa/AO online   Nacional   24 de Dez de 2013, 17:52

Os portugueses que estão a viver no Brasil procuram passar o Natal com os seus compatriotas, reproduzindo a tradição com muito bacalhau e bolo-rei, embora alguns já comecem a habituar-se ao churrasco e panetone.

"Vou ficar [no Natal] com uma amiga portuguesa, vamos fazer um jantar entre nós", diz à agência Lusa o estudante português Jonathan Chave Ferreira, de 20 anos, adiantando que o menu será bacalhau com natas.

A viver no Rio de Janeiro há apenas três meses, e longe da família pela primeira vez, o jovem prevê que o dia "será um pouco estranho", principalmente pela falta da presença dos pais e dos dois irmãos, que já têm uma visita programada, mas para o Carnaval.

Para amenizar a distância, muitos recorrerão às tecnologias, como é o caso de Sara Teles Almeida Rocha, de 26 anos, que irá passar o Natal deste ano no Rio de Janeiro com nove amigos portugueses.

"Antes de começarmos o jantar, ligamos o Skype e falamos durante algum tempo. No dia de Natal também [nos ligamos], para falarmos sobre os presentes que recebemos", conta Sara, que manterá a tradição portuguesa com um jantar de bacalhau, batata e legumes cozidos.

Também no mundo virtual, o grupo de portugueses no Rio de Janeiro, no Facebook, combinou uma reunião natalícia para o passado sábado, com o objetivo de reunir o maior número possível de compatriotas, antes do dia de Natal, quando cada um passará apenas com os mais íntimos.

Para a escolha do local e do tipo de festa, entre as opções estavam o brasileiríssimo "churrasco", que por pouco não venceu como formato de celebração.

"Eu preferia um churrasco, é mais informal, as pessoas estariam em pé conversando umas com as outras, cada um levaria uma peça de carne e a bebida se compra no quiosque, mas a questão foi quem assumiria a churrasqueira...", conta o luso-brasileiro Marcelo Cerqueira, a viver no Rio de Janeiro desde 2010.

O Natal funciona ainda como uma excelente desculpa para aqueles que já não aguentam as saudades e querem um pretexto para atravessarem o Atlântico.

Esse é o caso de Márcio Rodrigues Valente, de 20 anos, que chegou ao Brasil em 2011 e, depois de passar o Natal com os tios, no ano passado, decidiu fazer uma surpresa à família este ano.

"Não conhecia as tradições do Brasil e até gostei [do Natal de 2012]. O mais diferente foi a comida, não há o bacalhau. E a festa, porque costumamos estar sentados à mesa, jantar, e aqui foi um pouco mais descontraído, um clima mais informal", compara.

Natural de Aveiro, Valente admite que sofreu um pouco nos primeiros meses com o choque cultural, ao chegar com apenas 17 anos a uma cidade de mais de seis milhões de habitantes.

Hoje, a viver em Florianópolis, onde diz sentir-se "mais em casa", pela proximidade com a cultura portuguesa, Valente comemora o objetivo alcançado, com a obtenção da licença de piloto, e terá um merecido fim de ano perto da família.

"Este Natal será em Portugal. Vou chegar a casa de surpresa, no dia do aniversário do meu pai. Os meus amigos sabem, mas não contei à família, para ser surpresa", diz.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.