Açoriano Oriental
Portugal regista 473 casos de infeção pelo vírus Monkeypox

Em Portugal estão confirmados 473 casos de infeção humana pelo vírus Monkeypox, informou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS) no seu relatório semanal, relativo a situações registadas até quinta-feira.

Portugal regista 473 casos de infeção pelo vírus Monkeypox

Autor: Lusa /AO Online

O número hoje divulgado reflete um aumento de 71 casos numa semana, quando foi conhecido o último boletim.​​​​​​​

Segundo a DGS, foram reportados casos em todas as regiões de Portugal continental e na Madeira, mas 80 % das infeções registaram-se em Lisboa e Vale do Tejo.

De acordo com o documento hoje tornado público, dos 319 casos assinalados no Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica, sobre os quais estão disponíveis esses dados, apenas há uma mulher infetada.

As infeções confirmadas são em homens entre os 19 e os 61 anos, embora a faixa etária entre os 30 e os 39 anos seja a mais afetada, com 45 % dos casos.

A DGS adianta que, até quinta-feira, “foram reportados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC)/Organização Mundial da Saúde (OMS) Europa 5949 casos em 33 países da região europeia”.

O Reino Unido (1351), Espanha (1.256) e a Alemanha (1.242) são os países com maior número de infeções confirmadas.

“A DGS continua a acompanhar a situação epidemiológica, tanto a nível nacional como internacional”, é referido no relatório semanal do organismo, que acentuou estar atento “à publicação de documentos orientadores e recomendações, adaptando as medidas à realidade portuguesa quando pertinente”.

Informações anteriormente adiantadas pela DGS sublinhavam que que uma pessoa que esteja doente deixa de estar infecciosa apenas após a cura completa e a queda de crostas das lesões dermatológicas, período que poderá, eventualmente, ultrapassar quatro semanas.

Os sintomas mais comuns da doença são febre, dor de cabeça intensa, dores musculares, dor nas costas, cansaço, aumento dos gânglios linfáticos com o aparecimento progressivo de erupções que atingem a pele e as mucosas.

As lesões cutâneas geralmente começam entre um a três dias após o início da febre e podem ser planas ou ligeiramente elevadas, com líquido claro ou amarelado, e acabam por ulcerar e formar crostas que mais tarde secam e caem.

O número de lesões numa pessoa pode variar, tendem a aparecer na cara, mas podem alastrar-se para o resto do corpo e mesmo atingir as palmas das mãos e plantas dos pés. Também podem ser encontradas na boca, órgãos genitais e olhos.

Estes sinais e sintomas geralmente duram entre duas a quatro semanas e desaparecem por si só, sem tratamento. 

A DGS aconselha à pessoa que tenha sintomas que possam ser causados por vírus Monkeypox para procurar cuidados de saúde.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados