Portugal reagirá "em breve" à redução da presença norte-americana na Base das Lajes


 

Lusa/AO online   Regional   24 de Nov de 2012, 17:43

O ministro dos Negócios Estrangeiros disse hoje em Torres Vedras que Portugal vai tomar "em breve" uma posição sobre a redução da presença norte-americana na base das Lajes, Açores.

 

“Portugal assumirá em breve a sua posição nacional sobre essa matéria”, afirmou aos jornalistas Paulo Portas, adiantando que a redução da Força Aérea norte-americana na Base das Lajes deve-se a uma diminuição de 500 mil milhões de dólares na segurança e na defesa americanas.

“A redução decidida pelos Estados Unidos terá obviamente consequências”, admitiu Paulo Portas, acrescentando que o Governo da República e o Governo Regional dos Açores devem articular-se para “reduzir o impacto da decisão do ponto de vista económico na Ilha Terceira, no concelho da Praia e no emprego”.

Paulo Portas falava à margem da apresentação do candidato do CDS-PP a Torres Vedras, nas próximas eleições autárquicas, em que participou como líder nacional do partido.

Os Estados Unidos informaram Portugal sobre a ratificação de uma proposta da Força Aérea norte-americana que prevê uma forte redução da presença na base das Lajes, Açores, disse hoje à Lusa o porta-voz do MNE.

"O Governo dos Estados Unidos da América informou segunda-feira desta semana o Governo português que o secretário da Defesa ratificou, recentemente, uma proposta da Força Aérea americana, que prevê uma forte redução da dimensão da sua presença na base aérea portuguesa n.º 4 (Lajes, Açores), presença que, recorde-se, está regulada pelo Acordo bilateral de Cooperação e Defesa de 1995", disse à Lusa Miguel Guedes, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

"O Governo português comunicou, a 21 de novembro, ao Governo regional dos Açores, esta decisão do Governo dos EUA, que será agora objeto de análise", disse ainda o porta-voz do MNE.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.