Portugal e CPLP promovem campanha sobre violência contra mulheres no espaço lusófono


 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Nov de 2013, 07:35

Uma campanha comum lançada esta segunda-feira para denunciar "um problema comum" foi a intenção do Governo português e do secretariado executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) ao juntarem esforços face à violência contra as mulheres.

 

No Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, que se assinala anualmente a 25 de novembro, Portugal e a CPLP quiseram passar “uma mensagem o mais consensual possível de rejeição, de intolerância contra a violência que é praticada sobre as mulheres em todos estes países e que constitui um problema grave em todos eles”, disse à Lusa a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade.

A intenção foi criar “um movimento de rejeição da violência sobre as mulheres em todas as suas formas”, no espaço lusófono, resumiu Teresa Morais.

A iniciativa, que se insere nas II Jornadas Nacionais Contra a Violência Doméstica, que se prolongam até 14 de dezembro, foi proposta, concebida e assegurada financeiramente por Portugal, e, em julho, foi assumida pela CPLP, podendo agora ser utilizada pelos restantes países lusófonos.

A 18 de julho,o Conselho de Ministros da CPLP adotou uma resolução, em Maputo, em que reafirma os compromissos internacionalmente assumidos para a promoção e o respeito pelos direitos humanos das mulheres e a necessidade de intensificar esforços para eliminar todas as formas de violência de género.

“Contra a violência eu dou a cara” é a principal mensagem da campanha, que pretende “pôr várias pessoas a falarem sobre o assunto e dizerem que querem rejeitar esta violência”, referiu Teresa Morais.

A iniciativa é apresentada hoje, às 18:00, na sede da CPLP, em Lisboa, numa cerimónia em que participam o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, e o secretário executivo da comunidade lusófona, Murade Murargy.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.