Piratas da Somália afirmam ter chegado a "acordo" com armador para libertar cargueiro ucraniano


 

Lusa / AO online   Internacional   30 de Nov de 2008, 11:15

Os piratas somalianos que mantêm refém há dois meses um cargueiro ucraniano carregado com armas anunciaram hoje ter chegado a um "acordo" com os proprietários do navio para a sua libertação, mas sem referirem o montante pago pelo resgate.
    "O que posso dizer é que foi alcançado finalmente um acordo. Não vos posso dizer o montante", declarou Sugule Ali, porta-voz dos piratas do "Faina".

    "O 'Faina' poderá ser libertado depois do pagamento de um certo montante de dinheiro. É uma questão de tempo e de condições técnicas antes que o navio seja libertado", acrescentou.

    O mesmo porta-voz referiu um plano de libertação em seis dias, dos quais já passaram dois, foi estabelecido para permitir aos piratas receber o resgate sem correrem o risco de serem interceptados.

    "Dentro de quatro dias, deveremos poder deixar [o 'Faina'] e vamos preparar o desembarque em segurança dos nossos elementos", referiu Sugule Ali.

    "Os nossos elementos estão muito cansados e a tripulação [do navio] também. Queremos que a questão se resolva", declarou.

    Inicialmente, os piratas exigiram 35 milhões de dólares para libertar o navio e a tripulação, mas a 25 de Novembro admitiram fazê-lo por três milhões de dólares.

    O navio tem a bordo cerca de duas dezenas de tripulantes e uma carga que inclui 33 carros de assalto T-72, de fabrico soviético, e cerca de 14.000 munições.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.