Açoriano Oriental
OE2012
Passos reafirma que não é possível cancelar corte de um subsídio
O Primeiro-Ministro disse hoje, na Golegã, que “não é possível” aceitar a proposta do PS de cancelar o corte do 13.º ou do 14.º mês nem o aumento do IVA na restauração para os 23 por cento “pela simples razão de que teria um impacto “muito pesado” nas contas do Estado.
article.title

Foto: MARIO CRUZ / LUSA
Autor: Lusa/AO online
Pedro Passos Coelho, que hoje visitou a Feira da Golegã, na companhia da ministra da Agricultura, Assunção Cristas, reafirmou aos jornalistas que o Governo está “aberto a poder modelar ou ajustar medidas desde que o impacto sobre o défice” seja neutral. “Se algum partido propuser e o Governo considerar que é aceitável substituir uma despesa por outra ou uma receita por outra, ou no limite substituir alguma despesa que se pensa cortar por alguma receita que se possa obter, mas não desequilibrando esta representação de 2/3 (no corte da despesa) e 1/3 (no aumento da receita), estamos abertos a isso”, afirmou. Passos Coelho sublinhou que o Governo não poderá aceitar “mexer na credibilidade do orçamento”, por ter “uma responsabilidade muito grande para com o país”, afirmando que o orçamento aprovado sexta-feira, na generalidade, no Parlamento foi “o mais difícil de que há memória em Portugal”.
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.