Partido de Suu Kyi contesta lei eleitoral no Supremo Tribunal


 

Lusa / AO online   Internacional   29 de Abr de 2010, 17:50

A líder da oposição birmanesa Aung San Suu Kyi, e o seu partido, a Liga Nacional para Democracia, contestaram hoje no Supremo Tribunal a lei eleitoral proclamada pela Junta Militar no poder.
O advogado Kyi Win explicou que os queixosos contestam uma secção da lei que obriga as formações políticas a expulsar qualquer militante que cumpra uma pena de prisão.

Essa disposição aplica-se aos mais de 2000 presos políticos na Birmânia, entre os quais a Nobel da Paz Suu Kyi, a cumprir 18 meses de prisão domiciliária.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.