SATA/Privatização

Parlamento dos Açores admite que documentos foram "inadvertidamente digitalizados"

Parlamento dos Açores admite que documentos foram "inadvertidamente digitalizados"

 

Lusa/AO Online   Regional   9 de Nov de 2018, 14:56

A presidente do parlamento dos Açores, Ana Luís, admitiu esta sexta-feira que os serviços do parlamento digitalizaram documentos que deveriam ter ficado somente em papel, tendo sido instaurado um processo de inquérito interno para averiguação dos factos.

Em causa estão documentos referente à privatização parcial da Azores Airlines, documentos esses na posse da comissão parlamentar de inquérito ao setor público açoriano que decorre na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA).

"Foram inadvertidamente digitalizados, pelos Serviços da ALRAA, documentos confidenciais relativos à privatização de 49% do capital social da empresa Azorlines Airlines e dirigidos ao presidente da Comissão Eventual de Inquérito ao Setor Público Empresarial e Associações", admite Ana Luís, em nota enviada à imprensa.

Todos os deputados com assento na comissão "foram informados da situação, telefonicamente e via 'email', e recordados da responsabilidade que têm de sigilo e discrição", diz a nota da presidente da ALRAA.

Também os líderes parlamentares foram informados da situação, "tendo-lhes sido dado conta que, apesar do erro dos serviços, pendia sobre a comissão, e sobre os deputados que a compõem, a responsabilidade de tratar estes documentos com o caráter confidencial que os mesmos têm".

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, mostrou-se hoje dececionado com a divulgação de informação "confidencial" em torno do processo de alienação de 49% da Azores Airlines, frisando que este "é um caso de polícia".

"A partir de agora isto é um caso de polícia. Será apresentada queixa porque julgo que configura crime aquilo que foi feito", disse Vasco Cordeiro aos jornalistas.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.