Guerra

ONU apela para desmobilização de crianças-soldado no Nepal


 

Lusa/AO online   Internacional   26 de Ago de 2008, 11:11

As Nações Unidas apelaram para os maoistas do Nepal, que dirigem o governo, desmobilizarem milhares de crianças-soldado envolvidas na guerrilha durante uma década de guerra civil.
    No âmbito do acordo de paz histórico assinado a 21 de Novembro de 2006, no Nepal, 19.000 antigos combatentes maoistas - entre os quais 3.000 menores - foram desarmados, acantonados e colocados sob o controlo da ONU.

    Agora, as agências das Nações Unidas devem poder assegurar que essas crianças se "restabelecem" e se "reintegram", apelou Radhika Coumarasuamy, representante especial da ONU para as crianças e os conflitos armados.

    Porque, até ao momento, "a promessa de paz não se concretizou para essas crianças", lamentou.

    Depois de negarem a existência de crianças-soldado durante muito tempo, os maoistas e o respectivo chefe Prachanda, eleito primeiro-ministro a 15 de Agosto, reconheceram, há poucos dias haver 2.973 antigos combatentes com menos de 18 anos, em 2006.

    "Não podemos afastá-los de qualquer maneira. Eles foram úteis durante a 'guerra do povo'", alegou o dirigente maoista Chandra Prakash Gajurel.

    O governo terá também a espinhosa tarefa de integrar no Exército nepalês os ex-guerrilheiros maoistas.

    A jovem República do Nepal tem, desde sexta-feira, um governo de coligação dirigido pelo ex-chefe de guerra maoista Prachanda, apenas três meses depois da abolição da monarquia e menos de dois anos depois do fim da guerra civil, que fez 13.000 mortos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.