Nani espera um jogo mais difícil com a Dinamarca


 

Lusa/AO online   Futebol   8 de Set de 2008, 18:01

O avançado Nani disse esperar mais dificuldades no encontro com a Dinamarca do que as encontradas na goleada sobre Malta (4-0), no primeiro jogo de qualificação para o Mundial2010 de futebol.
“Estamos a fazer uma boa preparação, sabendo que será um jogo diferente, porque a Dinamarca é uma equipa mais experiente e mais forte, que nos vai causar mais problemas. Temos de trabalhar mais, ser mais organizados e marcar bem para ganhar”, referiu Nani.

    Em Óbidos, numa zona mista organizada antes do treino de hoje de Portugal, o extremo do Manchester United não estranhou que os dinamarqueses tenham atribuído favoritismo à equipa lusa para o encontro de quarta-feira (20:45), no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

    “Lembro-me que a Alemanha, no Europeu, também se desvalorizou e passou a pressão para nós. Temos é de chegar ao jogo e mostrar que somos melhores”, adiantou.

    Em matéria de ausências, Nani reconheceu que o seu companheiro de equipa no Manchester United Cristiano Ronaldo, a recuperar de uma cirurgia ao tornozelo direito, “é sempre um jogador que faz falta”.

    “Todos gostaríamos que estivesse aqui, mas temos de jogar com as armas que temos disponíveis”, afirmou.

    No encontro de Malta, Nani jogou com o número 7, que já foi de Figo e no Euro2008 foi utilizado por Cristiano Ronaldo.

    “Já joguei com tantos números. O que me interessa é jogar, o número não é importante”, considerou.

    Por seu lado, o defesa central Pepe disse que Portugal tem de “continuar a fazer o trabalho que tem vindo a fazer” e “manter o mesmo espírito em Alvalade, para que tudo possa correr bem”.

    Contra Malta, a defesa portuguesa teve uma noite tranquila, algo que não deverá acontecer face à Dinamarca, embora Pepe não se mostre excessivamente preocupado com a dupla de avançados nórdica, formada por Bendtner e Tomasson.

    “Não nos temos de preocupar só com dois jogadores, porque eles serão 11 dentro de campo. Temos de nos preocupar com toda a equipa. Mas eles também têm de se preocupar connosco, porque também temos grandes jogadores”, disse o central do Real Madrid, que espera “um jogo atractivo”.

    Já o lateral esquerdo Antunes, que se estreou a titular em jogos oficiais em Malta, diz que “não é importante” saber se mantém a titularidade.

    “O mais importante é conseguirmos os três pontos contra a Dinamarca. Ser titular ou não é o ‘mister’ que decide. Os meus colegas receberam-me bem e isso tornou a adaptação mais fácil”, referiu o lateral esquerdo.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.