Colômbia

Morte de chefe militar das FARC cria esperança para processo de paz


 

Lusa/AO online   Internacional   23 de Set de 2010, 18:27

A ex-candidata presidencial da Colômbia e ex-refém das FARC Ingrid Betancourt afirmou esta quinta-feira que a morte do chefe militar daquela guerrilha, conhecido como “Mono Jojoy”, constitui um “raio de esperança para o processo de paz” no país.
“Tenho que dizer que abre um raio de esperança para a Colômbia e que poderá ser o fim de uma longa noite e, para mim, o fim de um pesadelo”, disse Betancourt durante uma entrevista na cadeia de rádio NPR em Washington.

Betancourt está na capital norte-americana desde quarta-feira, no âmbito de uma digressão pelos Estados Unidos para promover o seu livro “Não há silêncio que não termine”, sobre os seis anos e meio de cativeiro nas mãos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.