Açoriano Oriental
França
Milhares de manifestantes contra reforma de regimes de aposentação
Milhares de manifestantes protestaram em Paris e em várias outras cidades francesas contra a reforma dos regimes especiais de aposentação defendida pelo Presidente Nicolas Sarkozy, quando estão paralisados por greves os transportes do país.

Autor: Lusa / AO online
Na capital, muitos dos manifestantes marcharam entre as estações de Montparnasse e Austerlitz, acompanhados por camionetas azuis com os logotipos da empresa pública Electricidade de França (EDF).

Alguns dos participantes nos protestos vestiam t-shirts com a inscrição “Público-Privado: Salvemos as Aposentações”. Um deles foi mais longe, exibindo um cartaz em que se lia: “Sarkozy é uma ferida na Política Social”.

Os estudantes, que também se insurgem contra a reforma das universidades, aderiram aos desfiles.

Em Marselha (sudeste), milhares de ferroviários e trabalhadores dos sectores da electricidade e do gás brandiram faixas com as frases “Os Regimes Especiais não são Privilégios” e “O Fim dos Regimes Especiais é uma Machadada nas Aposentações”.

Em Rennes (oeste), os estudantes também se solidarizaram com os trabalhadores do sector da electricidade e do gás, bem como com os ferroviários, num cortejo com cerca de 2.500 pessoas, de acordo com o sindicato CGT.

Dissolvida a manifestação, os estudantes continuaram a protestar exigindo a libertação de dois colegas detidos na terça-feira por causarem distúrbios.

Em Toulouse (sudoeste), entre 2.700 pessoas, segundo a polícia, e 5.000, em contagem dos organizadores, agitaram faixas dizendo “Os Ferroviários Lutam pelas Aposentações”, ou “Sim ao Serviço Público e ao Emprego”.

Finalmente, em Bordéus (sudoeste), de 1.600 ferroviários, em contagem da polícia, a 2.800, segundo a CGT, apoiados por estudantes, anunciaram a continuação da greve na quinta-feira.
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.