Ambiente

Mergulhadores recolhem e reciclam lixo encontrado no mar


 

Lusa/AOonline   Nacional   17 de Out de 2008, 16:39

Caça submarina ao lixo no fundo do mar é o objectivo de um projecto de âmbito nacional que já reúne 15 escolas de mergulho portuguesas e é lançado sábado na Reserva Marinha Luiz Saldanha, no Parque Natural da Arrábida.
O ProjectMar foi criado pela Divetek, uma empresa dedicada a actividades náuticas que, por não ter conseguido angariar quaisquer subsídios, está a custear este plano de recolha subaquática de resíduos, que são depois encaminhados para reciclagem.

    "Contando com a construção do site e com os sacos de recolha de lixo e outros equipamentos para os mergulhadores, posso dizer que já suportámos uns largos milhares de euros", afirmou à Agência Lusa Gabriel Neves, da Divetek.

    Até agora já aderiram ao projecto metade das escolas de mergulho que existem no país, mas Gabriel Neves salienta que a iniciativa está aberta a todos os mergulhadores interessados.

    O objectivo é o de os mergulhadores andarem sempre com os sacos de recolha de lixo, ajudando a limpar o fundo dos oceanos, onde frequentemente encontram pneus, chapas de ferro, redes, sacos de plástico, embalagens de comida, garrafas e latas de bebida.

    As estimativas - da Associação Portuguesa de Conservação dos Cetáceos e da Liga para a Protecção da Natureza - indicam que todos os anos é atirada ao mar uma quantidade de lixo três vezes superior ao peixe pescado.

    O Projectmar pretende ainda sensibilizar e mudar os comportamentos: "Temos de lembrar as pessoas que o mar não é um contentor. Hoje em dia fala-se muito em questões ambientais, mas muito pouco ou quase nada tem sido feito no mar", lamentou Gabriel Neves.

    Adiantou estar prevista também a criação de outros "dias ProjectMar", como o de sábado na Reserva Marinha Luiz Saldanha, onde todos os mergulhadores inscritos no projecto se juntam para limpar uma zona marítima do país.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.