Açoriano Oriental
Mau tempo afeta as vendas na época natalícia em Ponta Delgada

Apesar de algumas lojas já fazerem um balanço positivo das vendas de Natal, os comerciantes de Ponta Delgada queixam-se do impacto do mau tempo, depositando esperança nas compras de última hora.

Mau tempo afeta as vendas na época natalícia em Ponta Delgada

Autor: Lusa/AO Online

"As vendas têm sido boas, à semelhança dos anos anteriores”, disse à Lusa José Carlos Frias, dono da Livraria SolMar, explicando que “o livro ainda constitui uma boa escolha para prenda de Natal, porque é bastante versátil, nos seus géneros, há escolhas para todas as idades” e que, “nesta altura, o que se vende mais são os livros infantojuvenis e romances”.

“Esta é uma altura muito esperada pelos livreiros e pelos editores. Há uma série de livros que os editores guardam para esta altura do ano. É uma altura do ano que salva editoras e que salva livreiros”, prosseguiu o comerciante.

Ainda que esta seja a melhor altura do ano para as livrarias, este ano luta-se contra “a intempérie do mau tempo, que é sempre penalizador”, mas José Carlos Frias está tranquilo, porque o “forte de vendas no Natal é sempre na última semana, muitas vezes nos últimos dias” e o livro “é também uma prenda de último recurso”.

Aberta há 45 anos no centro de Ponta Delgada, a Londrina, apresentada como “símbolo da moda masculina”, tem já “clientes de várias gerações”.

O gerente da loja, Tiago Santos, contou à Lusa que o negócio “durante o ano foi um bocadinho mais fraco, mas na época do Natal está correndo um bocadinho melhor”.

Também este comerciante se diz “um bocadinho refém” da meteorologia, mas, “se o tempo ajudar, a esperança é de que as vendas aumentem”.

Na La Bamba Bazar Store, a única loja de discos de Ponta Delgada, as vendas estão a ser “um bocadinho mais fracas do que o ano passado, mas, em geral, [estão a correr] bem”, afirmou Pedro García, considerando que a quebra se deve ao tempo.

Ainda assim, mantém-se esperançoso: “O Pai Natal sempre chega tarde. Estes últimos dias, seguramente, serão os dias mais concorridos”, afirmou o comerciante, acrescentando que “qualquer uma das coisas que estão nesta loja não podem ser encontradas em nenhuma outra loja” de Ponta Delgada.

“O Natal é das crianças, como se costuma dizer”, afirmou Ana Medeiros, proprietária da Mundo Bambino. É por isso, referiu, que “esta é a melhor altura de vendas” da loja de brinquedos.

Este ano, “o balanço tem sido diferente dos últimos dois anos: apesar de São Pedro ter sido amigo, tivemos um novembro um bocadinho apagado. Este mês de dezembro, sendo a nossa especialidade o brinquedo, estamos à espera que seja a altura mais procurada”, explicou Ana Medeiros.

Para a designer de moda Sara França, “este ano está a ser complicado” na loja O Estúdio, onde vende também produtos de outros designers e artesãos locais.

“O clima é uma coisa que influencia bastante o comércio tradicional no centro de Ponta Delgada. Até tenho falado com outros comerciantes e é notório que se nota uma quebra”, adiantou.

A designer espera que as vendas “comecem a subir nos próximos dias”, já que, “cada vez mais, as pessoas guardam as compras para os últimos dias”.

A quebra é combatida “através da divulgação ‘online’”, onde tentam “chegar ao público”, mas também mantendo a loja aberta até à última: “No dia 24 estamos com a loja aberta até às 19h00 e é assim que deve ser”.

Os Açores foram esta semana afetados pela depressão Elsa, com chuva e vento fortes.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.