Marcelo recebe seleção de futebol de rua e diz que "o quarto lugar é um êxito"

Marcelo recebe seleção de futebol de rua e diz que "o quarto lugar é um êxito"

 

Lusa/AO Online   Futebol   20 de Nov de 2018, 13:48

O Presidente da República recebeu esta terça-feira a seleção portuguesa de futebol de rua que disputou o campeonato do mundo desta modalidade, no México, na semana passada, a quem disse que "o quarto lugar é um êxito".

A associação CAIS, que promove a integração das pessoas sem-abrigo e social e economicamente vulneráveis, é quem seleciona os jogadores e prepara a comitiva portuguesa para o mundial de futebol de rua, uma modalidade semelhante ao futsal, mas com regras próprias.

Numa cerimónia na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, o chefe de Estado contou aos responsáveis técnicos e aos oito jogadores da seleção que "estava ali quase ao lado", na Guatemala, a participar na Cimeira Ibero-Americana, e acompanhou o percurso deles desde que saiu de Portugal, em voo da Força Aérea, aproveitando as escalas.

"Eu ia sabendo o que se passava ao passar em Cabo Verde, e depois no caminho pelas Antilhas, e a seguir na Guatemala, ia sabendo o vosso percurso", relatou Marcelo Rebelo de Sousa, considerando a equipa "foi excecional".

Segundo o Presidente da República, "jogaram todos muito bem", com "uma "baliza bem defendida" e "boa pontaria" dos avançados e com "espírito de equipa", conseguido apesar de nesta modalidade os jogadores da seleção nacional mudarem constantemente.

"De facto, Portugal ficou conhecido no México e fora do México - os ecos chegavam à Guatemala - por uma atuação de uma equipa que nem sempre tem sido acompanhada pelos portugueses. Os portugueses conhecem mal o significado desta equipa", lamentou, referindo que "é uma realidade muito recente, não tem ainda vinte anos, está a dar os primeiros passos".

O Presidente da República observou que "jogar em casa do México era muito difícil", mas calhou essa meia-final à seleção portuguesa, e que não se alcançou o terceiro lugar "também por um triz".

No entanto, defendeu que "o quarto lugar é um êxito, com tantas equipas e de países tão prestigiados" e agradeceu a cada um dos elementos da seleção nacional, deixando-lhes uma promessa: "Far-lhes-ei chegar um diploma e uma fotografia minha para cada um de vós".

"Daqui por uns anos, será o primeiro lugar. Podia ter sido este ano. Sabem que na vida, isso já me aconteceu, já ganhei muita coisa e já perdi muita coisa, e às vezes ganhei por pouco e outras vezes perdi por pouco", acrescentou.

A seleção portuguesa de futebol de rua que jogou no México é composta por Alphonse Mendes, do Seixal, Cristiano Pinto, de Lisboa, Diogo Sousa, de Ponta Delgada, Gonçalo Lourenço, de Beja, Mariano Abreu, do Funchal, Tiago Andrade, de Gondomar, e Tiago Carvalho, do Porto.

No final, tiraram uma fotografia de grupo e, por proposta de Marcelo Rebelo de Sousa, cantaram todos juntos o hino nacional.

O selecionador nacional, Bruno Seco, considerou que "ser recebido pelo Presidente da República é a condecoração máxima que um português pode ter" e que esta cerimónia de receção "demonstra a personalidade do Presidente, a boa vontade que tem" para com esta equipa.

"A nós faz-nos sentir gigantes, faz-nos sentir ao nível dos melhores atletas portugueses, coisa que nós não somos", declarou aos jornalistas.

O coordenador do projeto de futebol de rua da associação CAIS, Gonçalo Santos, também salientou "o carinho, a atenção e o apoio do senhor Presidente da República" que, disse, "tem sido constante" e "é importante para estes jovens" jogadores, "eleva-os, dá-lhes força".

Mariano Abreu, eleito o melhor guarda-redes do mundial, afirmou que esse prémio "é uma sensação única", apesar de não terem conseguido "o principal objetivo" neste campeonato, e agradeceu à equipa.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.