Marcelo quer ano “descontaminado de clima eleitoral” e analisar Orçamento de Estado até ao Natal

Marcelo quer ano “descontaminado de clima eleitoral” e analisar Orçamento de Estado até ao Natal

 

Lusa/AO online   Nacional   8 de Dez de 2017, 18:28

Marcelo Rebelo de Sousa, desejou esta sexta-feira que o próximo ano seja "descontaminado" do "clima eleitoral" de 2019 e espera poder começar a analisar o Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) antes do Natal.

O Presidente da República admitiu ainda que, "em princípio", a tradicional mensagem de Ano Novo, em declaração ao país, vai ocorrer numa localidade do centro de Portugal, fustigado pelos violentos e trágicos fogos florestais de junho e outubro - zonas onde Rebelo de Sousa vai passar o período das "Festas", em comunhão com as populações e homenageando as vítimas.

"Relativamente ao ano que vem, que não é eleitoral - ano eleitoral é 2019. O problema é diferente, é o orçamento para 2019, que vai ser discutido no final do ano que vem. Até que ponto é ou não contaminado pelo ambiente eleitoral de 2019. O que desejaria é que fosse descontaminado desse clima eleitoral", afirmou, à margem de uma visita a uma das três residências que acolhem jovens mães solteiras e crianças da instituição particular de solidariedade social "Ajuda de Mãe", em Oeiras.

Rebelo de Sousa fora questionado, mais especificamente, sobre eventuais tensões entre o Governo socialista e os outros partidos da maioria (BE, PCP e "Os Verdes"), dada a tomada de posse em janeiro do ministro das Finanças, Mário Centeno, como presidente do Eurogrupo.

"O clima [eleitoral] já vai ser muito longo. Vai começar praticamente no início do ano [de 2019]. Penso que todos ganharíamos com que o ano de 2018 fosse de acalmia eleitoral. Portanto, que o OE2019 não fosse um campo de luta pré-eleitoral. Naquilo que depender do PR, no seu magistério de influência junto dos partidos políticos, tudo farei", garantiu, referindo-se às eleições europeias, em maio de 2019, e legislativas, presumivelmente em setembro/outubro de 2019.

As previsíveis negociações do OE2019 vão decorrer entre a maioria até à data indicativa de 15 de outubro de 2018, seguindo-se a fase de debate e discussão na generalidade e especialidade, em novembro, até à votação final global em sessão plenária no parlamento.

Segundo o Presidente da República, "os portugueses estão nessa onda, apreciam a estabilidade política, social, laboral, fiscal, sentem-se bem com elas" e, "havendo crescimento económico e criação de emprego, sentem-se bem com isso, portanto, a última coisa que quererão é que, num ano em que não há eleições, haja clima eleitoral".

"A questão é saber como é que a Europa e o mundo irão economicamente para o ano. Espero que continuem bem. Espero que não haja medidas protecionistas do outro lado do Atlântico (EUA) e a Europa continue a crescer e, formados os governos que estão a acabar de ser formados (Alemanha, por exemplo), seja possível tomar uma série de decisões urgentes e, portanto, Portugal possa ter um clima de crescimento económico e de criação de emprego que facilite o OE2019", reforçou.

Rebelo de Sousa revelou ainda que vai ter acesso, entre 14 e 15 de dezembro, a "uma primeira versão já muito próxima da redação final do OE2018", antevendo "seis/sete dias de trabalho intensivo", o que lhe "permitiria ir para o Natal com esse problema resolvido".

"Se fosse possível ter uma decisão antes do fim de semana de 23 e 24 de dezembro, melhor", afirmou o chefe de Estado.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.