Açoriano Oriental
Covid-19
Marcelo passou a noite num hotel para verificar as condições de higiene

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que passou a noite num hotel para verificar as condições de higiene e considerou que "são muito estritas", com "desinfeção permanente".

Marcelo passou a noite num hotel para verificar as condições de higiene

Autor: Lusa/AO Online

Em direto na Rádio Renascença para falar sobre a Covid-19, o chefe de Estado revelou também que tem feito testes de diagnóstico de 15 em 15 dias, por ter "uma necessidade de contacto público maior" e "a responsabilidade de ir a mais cerimónias", o último dos quais depois de ter ido a Ovar.

Em relação aos novos casos de covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo, o Presidente da República reiterou que não existe "uma situação descontrolada" que "justifique alarme social", mas assinalou que os números disponíveis retratam sempre apenas o que se passava há 15 dias e não o cenário atual.

Por outro lado, alertou que os jovens são um grupo etário com menor risco, mas devem pensar que "têm avós, têm pais e têm tios" e comportar-se tendo em conta "o risco social dos outros".

A propósito da sua experiência pessoal nesta fase de reabertura gradual de atividades e estabelecimentos encerrados devido à pandemia, Marcelo Rebelo de Sousa contou: "Esta noite que passou passei-a num hotel, para verificar as condições de higiene do hotel".

"E achei que as condições são muito estritas. É um hotel que nunca fechou. São muito estritas. Tudo é desinfetado: a mala, a pasta, o computador. Há uma desinfeção de quem entra, há uma desinfeção permanente dos quartos. Mas tem de ser assim", acrescentou.

Em relação aos testes de diagnóstico, declarou: "Eu estou a fazer em princípio, como tenho uma necessidade de contacto público maior, de 15 em 15 dias, para garantir que não há risco, não para mim, mas para os meus colaboradores".

O Presidente da República referiu que fez o primeiro teste quando ficou confinado ainda antes do estado de emergência, que vigorou em Portugal entre 19 de março e 02 de maio, e que o último "depois da ida a Ovar", concelho do distrito de Aveiro onde foi estabelecida uma cerca sanitária durante cerca de um mês.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.