Segurança alimentar

Maioria dos portugueses lê o rótulo dos alimentos que compra


 

Lusa / AO online   Nacional   22 de Nov de 2007, 17:10

A maioria dos consumidores portugueses lê os rótulos dos produtos alimentares e mostra "elevada consciência da necessidade de alterar a dieta alimentar", disse à Lusa Luís M. Cunha, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.
O académico, professor auxiliar daquela faculdade, citava as conclusões de um estudo efectuado sob a sua coordenação, em que participaram o Instituto de Ciências e Tecnologia Agro-Alimentar da Universidade do Porto (ICETA/Porto), a Direcção Regional de Agricultura de Entre-Douro-e-Minho (DRAEDM), a EGI - Sociedade de Engenharia e Gestão da Qualidade Industrial, Lda, e a Modelo Continente Hipermercados, SA.

As conclusões deste estudo, subordinado ao tema "O comportamento do consumidor face à segurança e qualidade alimentares: percepção do risco e rotulagem", serão apresentadas sexta-feira na Conferência de Encerramento do Projecto AGRO 803, a realizar no Centro de Actualização Propedêutica e de Formação Técnica de Vairão, em Vila do Conde.

Luís M. Cunha adiantou à Lusa algumas das principais conclusões do estudo, realizado nas zonas da Grande Lisboa e do Grande Porto, em Novembro de 2005, e cuja elaboração durou três anos e meio.

Uma delas indica que "o risco alimentar não se encontra na primeira linha das preocupações dos portugueses, situando-se numa segunda ordem de preocupação, atrás de questões como o desemprego, a insegurança, o terrorismo a os acidentes".

Prazo de validade, preço, instruções de conservação e utilização são as informações que os portugueses mais procuram em primeiro lugar obter da leitura dos rótulos dos produtos alimentares.

Segue-se a informação nutricional, com especial relevo para o teor em gordura e sal dos produtos alimentares, que são os aspectos que mais preocupam os portugueses nos alimentos que consomem.

"O estudo indica que os portugueses têm uma percepção clara de que devem evitar os alimentos com altos teores de gordura e sal, mas nem sempre os conseguem evitar, ou porque comem muitas vezes fora de casa ou porque não conseguem resistir à tentação, já que muitas vezes os alimentos mais saborosos são aqueles que têm mais gorduras e sal", disse Luís M. Cunha.

Quanto aos motivos que levam os consumidores a abdicar da leitura dos rótulos o estudo indica que o principal é o conhecimento prévio do mesmo, seguindo-se a falta de tempo, a dificuldade da leitura pelo facto de a letra ser pequena e ainda a falta de interesse.

O estudo mostra também que, ao escolher os produtos alimentares que vão comprar, os portugueses procuram sobretudo assegurar-se de que levam os mais frescos e aqueles que mais vão beneficiar a saúde própria e dos seus familiares.

Luís M. Cunha referiu que os resultados do estudo mostram a necessidades de que a legislação determine que a informação nutricional dos produtos seja o mais clara possível, de forma a garantir que os consumidores possam efectuar as suas compras da forma mais informada possível.

"Esse trabalho já está a ser feito, nomeadamente através da Comissão Europeia, que já fez aprovar legislação mais restrita quanto à rotulagem, a qual já está na sua grande maioria, transposta para a legislação portuguesa", disse Luís M. Cunha.

O académico sublinhou a importância deste estudo, uma vez que "o conhecimento destas questões permitirá às entidades públicas competentes optimizar a comunicação dos potenciais riscos alimentares, bem como sensibilizar os consumidores para uma alimentação saudável".

"A própria indústria já está a oferecer produtos que facilitam a vida aos consumidores interessados numa alimentação mais equilibrada e até as cadeias de "fast food" já contam entre os seus produtos com saladas e pratos mais equilibrados", sublinhou Luís M. Cunha.

Rui Cavaleiro, Chefe-Adjunto da Unidade de Legislação Alimentar, Nutrição e Protecção dos Consumidores da Comissão Europeia, vai estar sexta-feira em Vairão para fazer um diagnóstico da situação presente e apontar as perspectivas futuras no tocante à rotulagem de produtos alimentares.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.