Orçamento de Estado

Maioria aprova Orçamento na generalidade mas com um voto contra no CDS-PP

Maioria aprova Orçamento na generalidade mas com um voto contra no CDS-PP

 

Lusa/AO online   Economia   31 de Out de 2012, 14:03

A maioria PSD/CDS-PP aprovou esta quarta-feira, na generalidade, a proposta de Orçamento do Estado para 2013, mas com um voto contra na bancada centrista, do deputado Rui Barreto, eleito pelo círculo da Madeira.

Toda a oposição - PS, PCP, BE e "Os verdes" - votou contra a proposta do Governo, conforme estava anunciado.

Hoje, foi aprovada também a proposta do Governo de Grandes Opções do Plano, com idêntica votação: votos favoráveis da maioria parlamentar e votos contra dos partidos da oposição e do deputado do CDS-PP Rui Barreto.

Os quatro deputados do PSD eleitos pela Madeira comunicaram que vão apresentar uma declaração de voto conjunta relativa à proposta de Orçamento do Estado para 2013 e o deputado do CDS-PP José Ribeiro e Castro indicou que apresentará uma declaração de voto individual.

Nas votações de hoje, Rui Barreto seguiu a indicação de voto dada pelo presidente da Comissão Política Regional do CDS-PP da Madeira, José Manuel Rodrigues, e com isso violou a disciplina de voto no seu partido e desrespeitou o acordo de coligação PSD/CDS-PP, que obriga os dois partidos a "votar solidariamente" os Orçamentos do Estado.

Segue-se agora a fase de discussão da proposta Orçamento do Estado para 2013 na especialidade, durante a qual, até 16 de novembro, os deputados podem apresentar propostas de alteração, estando a votação final global agendada para 27 de novembro.

Dentro do CDS-PP, tem havido várias vozes críticas da proposta de Orçamento para 2013, sendo José Manuel Rodrigues a mais destacada.

A meio deste mês, este dirigente centrista, que recentemente suspendeu o seu lugar de deputado e foi substituído por Rui Barreto, defendeu que, se a proposta de Orçamento não fosse alterada, o seu partido deveria chumbá-la e assumir a abertura de uma crise política.

No domingo passado, José Manuel Rodrigues anunciou que o deputado Rui Barreto tinha indicação do CDS-PP da Madeira para votar contra a proposta do Governo e, na mesma ocasião, anunciou a sua demissão do cargo de vice-presidente da Comissão Política Nacional do CDS-PP.

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, afirmou hoje aos jornalistas, no parlamento, que os estatutos do partido preveem que haja "consequências" para quem desrespeitar a disciplina de voto em relação ao Orçamento do Estado.

Paulo Portas sublinhou que os estatutos do CDS-PP estabelecem "que a responsabilidade pelo sentido de voto num Orçamento do Estado que é nacional é uma responsabilidade da direção nacional do partido".

Até hoje, a única reação oficial do CDS-PP sobre este assunto tinha vindo da direção da bancada centrista que, em comunicado, admitiu a abertura de um procedimento disciplinar aos deputados que desrespeitassem o sentido de voto do partido.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.