Lusodescendente Gary Soiseth procura reeleição como 'mayor' em Turlock


 

Lusa/Ao online   Economia   20 de Out de 2018, 17:11

O lusodescendente Gary Soiseth vai procurar a 06 de novembro a reeleição como ‘mayor’ da cidade californiana de Turlock, nos Estados Unidos, onde 7,4% da população é de origem portuguesa.

A campanha do responsável luso-americano vai focar-se no investimento em estradas e água potável para o futuro, duas questões que preocupam a comunidade portuguesa da cidade, disse à Lusa Soiseth, filho de mãe portuguesa e pai escandinavo.

Também está planeado o lançamento de um programa de cidades geminadas nos Açores, com interesse já manifestado por "vários locais" na ilha do Pico e uma viagem marcada ao arquipélago para o verão de 2019. "Ainda não está nada definido, mas vai com certeza acontecer", garantiu o candidato à reeleição.

Outra prioridade é "manter as tradições vivas" e garantir que a cidade de Turlock continua a ter as Festas do Espírito Santo e as paradas na baixa. "Continuaremos a celebrar a cultura portuguesa todo o ano, mas em especial na época das ‘Festas'", explicou o político de 34 anos.

Na corrida à câmara da cidade, onde residem 5.269 pessoas de origem portuguesa, de acordo com o Censo de 2010, o incumbente enfrentará o também lusodescendente Brad Bates, Amy Bublak, membro do conselho da cidade, e o candidato de origem hispânica Jaime Franco.

Soiseth acredita que a comunidade luso-americana "está ao lado" da sua candidatura, não especificamente porque é português mas pela obra feita e que promete fazer. "Sou muito ativo na comunidade portuguesa", sublinhou, ainda assim, referindo que está a tentar aprender a língua através de amigos que falam português.

"Estou confiante de que as questões estão a ressoar junto das pessoas, a água potável e as autoestradas", indicou. A sua campanha recebeu o apoio de 28 oficiais eleitos no Estado da Califórnia "e centenas de outros residentes", incluindo o Sindicato de Bombeiros de Turlock.

O problema da água potável interessa especialmente à comunidade lusoamericana de Turlock pela sua predominância no setor agrícola e de lacticínios. É "muito importante para os agricultores e residentes da cidade" que sejam encontradas alternativas ao atual sistema de poços, garantiu. "O manto de água subterrânea está a acabar e a sua qualidade está a piorar, com arsénio, nitratos, químicos que não podemos ter na água potável", disse Soiseth.

Em agosto foi iniciado o projeto regional de construção de uma estação de tratamento de água do rio Tuolumne, um sistema encabeçado pelas cidades de Turlock e Ceres com um custo estimado de 288 milhões de dólares (250 milhões de euros).



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.