Luís Amado nega existência de documentos que comprometam actual ou anteriores governos


 

Lusa/AO Online   Nacional   2 de Dez de 2008, 16:34

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, negou hoje em Bruxelas a existência de quaisquer documentos em Portugal que comprometam o actual ou anteriores governos no caso dos voos da CIA de transporte ilegal de prisioneiros.

 Amado, que falava à margem de uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, comentava as recentes revelações do jornal espanhol El Pais, que divulgou documentos secretos que demonstram que em 2002 as autoridades norte-americanas pediram autorização ao governo espanhol, na altura liderado por José Maria Aznar, para realizar escalas em aeroportos espanhóis.

    O jornal aponta que Portugal terá sido outros dos países avisados da utilização do seu território para escalas dos voos da CIA.

    "O documento é um documento espanhol e a referência a Portugal é feita pelo jornalista e não pelo documento em causa", sublinhou hoje Luís Amado, que negou a existência de documentos do mesmo género nos arquivos das autoridades portuguesas.

    "Não tenho nenhuma informação mais a acrescentar, não tenho conhecimento de nenhum documento em Portugal nos arquivos quer do ministério dos Negócios Estrangeiros, quer do ministério da Defesa, que comprometam qualquer dos governos que estiveram em funções até ao momento em Portugal relativamente a essa matéria", acrescentou

    O ministro lembrou que "há um inquérito na Procuradoria (Geral da República), que tem toda a liberdade de investigação e de acesso à informação", pelo que se deve "esperar serenamente pelo resultado dessa investigação".

   

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.