Líder do CDS/Açores acusa deputada Graça Silveira de prejudicar o partido

Líder do CDS/Açores acusa deputada Graça Silveira de prejudicar o partido

 

Lusa/AO Online   Regional   15 de Out de 2019, 06:48

O líder do CDS-PP/Açores, Artur Lima, acusou a deputada regional Graça Silveira de colocar interesses pessoais acima do partido, por ter anunciado a saída do grupo parlamentar na Assembleia Legislativa dos Açores.

“Numa altura em que o partido a nível nacional atravessa a situação que atravessa, que o partido está numa situação como já não estava há muitos anos, até de sobrevivência, esta atitude da deputada Graça Silveira vem revelar que põe acima dos interesses do partido a sua própria agenda pessoal, o seu interesse pessoal e apenas isso”, afirmou.

Artur Lima falava, em declarações aos jornalistas, na Horta, à margem de uma reunião de conferência de líderes do parlamento açoriano, em reação ao anúncio feito horas antes pela deputada Graça Silveira de que iria abandonar o seu grupo parlamentar, por causa da "prepotência" e "perseguição" do líder regional do partido.

"Enquanto Artur Lima mantiver esta atitude vingativa e persecutória em relação a uma deputada também eleita pelo seu partido, e enquanto não se esclarecerem um conjunto de preocupantes suspeições que fogem ao controlo democrático do grupo parlamentar, suspendo a minha participação", disse Graça Silveira, em conferência de imprensa.

Segundo Artur Lima, o grupo parlamentar centrista, que passa de quatro para três deputados, fica “fragilizado”, numa altura em que o partido a nível nacional “está em farrapos”.

“Lamento que assim seja, que se prejudique o partido. Isto prejudica gravemente o partido. É bom que os militantes do CDS saibam disto. O partido sai muito lesado com esta saída, porque perde lugares aqui, perde subvenção no fim do mês”, frisou.

A deputada centrista acusou o líder regional do partido de ter tentado impedi-la de exercer as suas funções parlamentares, afastando-a de todas as comissões permanentes e reduzindo ao máximo as suas intervenções em plenário.

"Assim, a partir de hoje, passarei, de novo, a exercer as minhas funções enquanto deputada, eleita pelo CDS, mantendo a militância no CDS, continuando a cumprir com as minhas obrigações enquanto dirigente regional e nacional do CDS, mas fora do grupo parlamentar presidido pelo deputado Artur Lima", adiantou.

Segundo Graça Silveira, esta atitude persecutória surgiu depois de ter assumido publicamente o seu apoio à candidatura de Luís Silveira, presidente da Câmara Municipal das Velas, que é candidato à liderança do CDS-PP/Açores.

Artur Lima sublinhou, no entanto, que a deputada do CDS-PP “nunca foi proibida de falar, antes pelo contrário”.

“A senhora deputada há mais de seis meses que não aparecia no grupo parlamentar, tinha uma agenda própria, marcava visitas oficiais sem comunicar à direção do grupo e obviamente tiveram de lhe ser impostas regras, que não quis cumprir devido à narrativa que vem fazendo há muito tempo apenas no seu interesse pessoal e político que é de todos conhecido, prejudicando desta maneira o CDS como nunca foi prejudicado”, acusou.

O CDS/Açores tem marcado para 07 e 08 de dezembro o seu X Congresso Regional, que irá decorrer na ilha Terceira.

Recorde-se que na noite das eleições legislativas nacionais do passado dia 06 de outubro, após serem conhecidos os resultados, o cabeça de lista do CDS à Assembleia da República, Rui Martins, lamentou que nem todos os dirigentes do partido tenham feito campanha ao seu lado, referindo-se, expressamente, a Luís Silveira, a Graça Silveira e a Nuno Melo Alves (presidente da comissão política do CDS da ilha Terceira).



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.