JSD escolhe hoje no líder


 

Lusa/AO On Line   Nacional   28 de Nov de 2010, 06:37

 A JSD escolhe hoje o novo líder no congresso, em Coimbra, estando na corrida um dos atuais vice-presidentes, Duarte Marques, que quer “resgatar o futuro de uma geração”, e o líder da JSD/Braga, Carlos Reis, “candidato da alternativa”.

O XXI Congresso da JSD, que vai escolher o sucessor do atual líder, o deputado Pedro Rodrigues, começou sexta-feira, em Coimbra, e termina hoje, contando com a presença do líder do PSD Pedro Passos Coelho no encerramento.

Em entrevista à Agência Lusa, tanto Carlos Reis como Duarte Marques garantem que a JSD estará com Cavaco Silva nas eleições para a Presidência da República.

Relativamente aos primeiros meses de mandato de Pedro Passos Coelho na liderança do PSD, ambos os candidatos estão igualmente de acordo, reconhecendo o trabalho feito pelo presidente social-democrata.

“O PSD, como o país, está farto de políticos que são eleitos com um programa e um discurso e depois esse discurso não bate com a ação. E muita gente provavelmente disse a Passos Coelho para abandonar a ideia da revisão constitucional. Ele não a abandonou e isso é um traço de caráter e liderança”, afirmou Carlos Reis.

Para Duarte Marques “Pedro Passos Coelho marcou claramente uma grande diferença em relação a José Sócrates”, considerando que “o PSD é a única alternativa possível em Portugal”.

Como bandeiras da candidatura, Carlos Reis garante que vai defender “os desafios da autonomia e independência de um jovem” como a educação, o emprego, a habitação jovem, as políticas de natalidade e os comportamentos de risco, enquanto que Duarte Marques se propõe “resgatar o futuro de uma geração” já que “o país está a hipotecar o seu futuro, que são os jovens”.

O líder da JSD/Braga, de 26 anos, defende a reformulação do decreto-lei que legisla as bolsas estudantis, acusando o atual sistema de não combater o abandono escolar em clima de crise económica.

Para o atual vice-presidente da “jota”, de 29 anos, é urgente a “reorganização da rede do ensino superior” e um “claro investimento no empreendedorismo jovem”.

Duarte Marques apresenta ainda a proposta de criação de um tributo comunitário, através de uma bolsa de horas de emprego regional, para que as pessoas que estão no subsídio de desemprego possam continuar ativas na sociedade.

Carlos Reis afirma que a sua grande batalha é a mudança do sistema de recibos verdes, que atualmente tem um formato “profundamente injusto”.

“Se nós conseguirmos que, a seguir a acabar a prestação de serviço, o subsídio de desemprego exista para os recibos verdes é uma grande vitória para a juventude portuguesa”, sublinha.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.