Jerónimo de Sousa proposto "sem surpresa" para secretário-geral do PCP


 

Lusa/AOonline   Nacional   28 de Nov de 2008, 10:01

Jerónimo de Sousa vai ser proposto para continuar como secretário-geral do PCP, na reunião do Comité Central a eleger no XVIII Congresso Nacional.
Fonte do PCP afirmou à Agência Lusa que, “sem surpresas”, o nome será proposto para secretário-geral no Comité Central que se reúne no segundo dia do XVIII Congresso, a 30 de Novembro, no espaço multiusos/Campo Pequeno, em Lisboa.

    A reunião do Comité Central, que sairá do congresso, realiza-se à porta fechada e o nome do secretário-geral é proposto pelos organismos executivos cessantes - comissão política, secretariado e comissão central de controlo - depois de ouvidos os membros do anterior Comité Central.

    O líder comunista já assumiu a vontade de continuar à frente do partido por mais quatro anos.

    A proposta de Comité Central a apresentar aos cerca de 1.500 congressistas sofre uma redução de 174 para 156 membros e do principal órgão do PCP entre congressos saem dirigentes como o histórico Carlos Costa, o deputado Honório Novo, Vítor Dias e o sindicalista José Ernesto Cartaxo.

    A lista de candidatos, aprovada domingo pelo Comité Central, com dois votos contra e três abstenções, foi publicada na edição de hoje do jornal oficial do PCP, o Avante!.

    Para o principal órgão do PCP entre congressos entram agora 26 novos dirigentes.

    De saída estão históricos como Carlos Costa, que acompanhou o líder histórico Álvaro Cunhal na fuga da prisão de Peniche, em 1960, ou Vítor Dias, durante anos na direcção de Cunhal e depois na de Carlos Carvalhas.

    Também António Abreu, ex-candidato presidencial apoiado pelo PCP e antigo vereador da Câmara de Lisboa, está de saída.

    No Comité Central mantém-se, entre outros, o antigo líder Carlos Carvalhas, o vice-presidente da Assembleia da República António Filipe, a ex-deputada Odete Santos e os históricos Albano Nunes e Domingos Abrantes, que deixou a Comissão Política no anterior congresso.

    Do sector sindical, mantém-se Arménio Carlos, dirigente da CGTP, e Amável Alves enquanto outros dois sindicalistas da Intersindical, Maria do Carmo Tavares e José Ernesto Cartaxo, abandonam este órgão.

    O secretário-geral do Partido, Jerónimo de Sousa, em declarações à Agência Lusa, explicou, antes de ser conhecida a proposta de Comité Central, que a lista seria um “caldeamento entre camaradas experientes e jovens quadros”, mantendo-se igualmente a maioria de

    A proposta para o novo Comité Central, que poderá sofrer alterações durante a reunião reservada aos delegados, sem acesso aos jornalistas, inclui 158 membros, menos 16 do que os eleitos no congresso de Almada, há quatro anos.

    Jerónimo de Sousa, que sucedeu a Carlos Carvalhas no congresso de 2004, já admitiu, por diversas vezes, que está disposto a fazer mais um mandato à frente dos comunistas portugueses.

    O XVIII Congresso Nacional começa sábado, no espaço multiusos/Campo Pequeno, em Lisboa, estando prevista reunião para eleger o Comité Central no domingo à noite e o encerramento será na segunda-feira ao fim da manhã, com o discurso de Jerónimo de Sousa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.