Aeroporto

Investimento no novo aeroporto abaixo dos 3,3 mil milhões


 

Lusa/AOonline   Economia   15 de Out de 2008, 16:40

O investimento previsto no novo aeroporto de Lisboa até ao dia de abertura deverá ficar abaixo dos 3,3 mil milhões de euros, revelou hoje o presidente executivo da NAER, empresa responsável pelo projecto daquela infra-estrutura.
De acordo com Carlos Madeira, a previsão do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para o investimento até ao dia de abertura, tendo em conta que o projecto avança de forma faseada (com duas pistas iniciais e a possibilidade de acrescentar outras duas), ficava entre os 3,1 e os 3,3 mil milhões de euros, mas esse é um valor que não deverá ser atingido.

    O presidente executivo da NAER - Novo Aeroporto falava antes de uma visita promovida pela empresa aos terrenos onde será construída a nova infra-estrutura aeroportuária de Lisboa, no Campo de Tiro de Alcochete.

    Antes das declarações de Carlos Madeira, o arquitecto João Leal, responsável pelo projecto, apresentou as plantas base para a construção do novo aeroporto e alguns dados estatísticos, sempre ressalvando que os números divulgados hoje poderão sofrer ajustamentos.

    De acordo com os dados revelados por João Leal, a capacidade de abertura do novo aeroporto está dimensionada para uma procura de 22 milhões de passageiros e poderão aterrar naquela infra-estrutura todos os tipos de aeronaves, nomeadamente os Airbus A380.

    O aeroporto terá de início duas pistas paralelas, com quatro quilómetros cada, no meio das quais será construído o terminal de passageiros.

    A estrutura terá de início 120 balcões de check-in, 20 postos de controlo de segurança centralizados, outros 20 de controlo de passaportes à partida e 28 à chegada.

    Na zona das chegadas haverá ainda 12 carrosséis para recolha de bagagem.

    Questionado sobre se o número de balcões de check-in seriam suficientes para a capacidade do aeroporto, o presidente executivo na NAER recusou comparações com a Portela - lembrando que uma estrutura com 65 anos "tem coisas boas e coisas más" - e sublinhou que a produtividade dos balcões de check-in será multiplicada.

    No actual aeroporto da Portela os balcões são atribuídos a companhias aéreas, o que não vai acontecer em Alcochete, em que cada balcão poderá ser usado por várias companhias.

    Lembrou ainda que os passageiros poderão usar os balcões de "self check-in" e até o check-in electrónico, no futuro: "Esta área está a mover-se muito depressa e vai mover-se mais depressa ainda", afirmou.

    Na abertura, o novo aeroporto deverá ter entre 55 a 60 movimentos de aeronaves por hora (hora de ponta) e capacidade de estacionamento para 86 aeronaves, 63 das quais em "mangas".

    Em 2050, as duas pistas terão capacidade para operar de forma independente entre 85 a 90 partidas e chegadas/hora.

    O terminal terá quatro grandes pisos e na sua cobertura será instalado um sistema fotovoltaico de última geração, que assegurará em larga medida a autonomia energética daquela infra-estrutura.

    No ano de abertura o novo aeroporto deverá ter 10 lugares de estacionamento, mais do triplo do que tem a Portela.

    A União Europeia já garantiu 239 milhões de euros para o novo aeroporto de Lisboa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.