"Investimento de 1,6 ME no Matadouro da Terceira vai reforçar a competitividade da fileira da carne"

"Investimento de 1,6 ME no Matadouro da Terceira vai reforçar a competitividade da fileira da carne"

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   6 de Nov de 2018, 20:00

O secretário regional da Agricultura e Florestas disse esta terça-feira, na Praia da Vitória, que as obras de beneficiação do matadouro da ilha Terceira, orçadas em 1,6 milhões de euros, vão permitir reforçar a competitividade da fileira da carne e criar mais riqueza.

“Este investimento vai permitir reforçar a competitividade da produção de carne na Terceira, valorizando ainda mais este produto, não só ao nível do consumo interno, mas também no que se refere à exportação”, frisou João Ponte, que falava na inauguração da obra de beneficiação do matadouro, cerimónia que foi presidida pelo Presidente do Governo, Vasco Cordeiro.


João Ponte adiantou, segundo nota do executivo, que a Terceira necessitava de um matadouro “mais funcional, com maior capacidade e mais moderno” para continuar a dar uma “resposta cabal” ao desenvolvimento da fileira da carne, acrescentando que, a nível regional, está em curso a construção do novo Matadouro da Graciosa e a requalificação do Matadouro de São Miguel e, em 2019, o Governo Regional pretende avançar com a elaboração do projeto para o Matadouro de São Jorge.


“Nos primeiros nove meses deste ano, comparativamente com o período homólogo de 2017, o número total de abates na ilha Terceira cresceu quase 10%”, salientou o secretário regional, frisando que, a nível regional, se registaram quase 70 mil animais abatidos no ano passado, dos quais 55% foram para exportação.



Apesar do caminho percorrido ao nível da qualidade da carne produzida nos Açores, o governante defendeu que é necessário “apostar de forma incessante” na inovação, na desmancha e no embalamento, indo ao encontro das preferências dos consumidores, o que pressupõe, por exemplo, passar a disponibilizar mais carne fatiada em cuvetes ou peças embaladas em vácuo.


João Ponte destacou ainda que a evolução das atuais preferências dos consumidores por produtos amigos do ambiente, biológicos e os chamados alimentos funcionais deve ser cada vez mais aproveitada pelos Açores, desde logo tirando melhor partido da classificação da carne como Identificação Geográfica Protegida ou produzida em ilhas que ostentam o galardão de Reserva da Biosfera da UNESCO.


Diz a nota que a intervenção agora inaugurada permitiu que o Matadouro da Terceira aumentasse a sua capacidade de 120 para 200 bovinos, além de disponibilizar um novo sistema de receção, encaminhamento e contenção de animas, cumprindo as normas de bem-estar animal, segurança dos operadores e eficiência de maneio.


Por outro lado, foram criados parques individuais para cerca de 100 bovinos e novos locais de descarga de animais.
   


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.