Jogos Olimpicos

Investimento beneficiará várias regiões do Brasil

Investimento beneficiará várias regiões do Brasil

 

Lusa/AO Online   Economia   10 de Out de 2009, 08:35

O investimento de 14 mil milhões de dólares (9,5 mil milhões de euros) para realização dos jogos olímpicos de 2016 terá um impacto na economia do Rio de Janeiro, a cidade escolhida, e em diversas regiões do Brasil.

A conclusão faz parte de um estudo da Fundação Instituto de Administração (FIA), ligada à Universidade de São Paulo (USP), com o objectivo de medir o efeito da organização dos jogos de longo prazo na economia brasileira.

Esses investimentos públicos e privados serão responsáveis por um forte impacto em diversos sectores da economia brasileira, com a criação de 120.000 empregos por ano até 2016.

A cidade do Rio de Janeiro será a mais beneficiada, mas diversas regiões do Brasil também sentirão os efeitos dos jogos, o que contribuirá para eliminar possíveis disputas regionais pelos investimentos.

O investimento total, estabelecido pelo dossier de candidatura do Rio, será distribuído entre o comitê organizador e na construção de infra-estruturas.

O estudo aponta que o investimento vai gerar um efeito multiplicador na economia brasileira, estimado em 51,1 mil milhões de dólares (34,7 mil milhões de euros), no período de 2009 a 2027.

Isso significa que para cada unidade monetária de investimento público, empresas privadas vão investir 3,26 mais em sectores ligados aos jogos.

“À medida que o projecto amadurece, os ganhos de produtividade tornam-se maiores porque regista-se complementaridade entre os investimentos nos jogos e a atracção de investimentos privados para os negócios associados à cadeia produtiva”, refere o estudo.

Foram identificados 55 sectores económicos que mais poderão se beneficiar com os jogos, com destaque para empresas de construção civil, imobiliário, aluguer, petróleo, serviço de informação, transporte, armazenagem e correio.

O estudo aponta para um impacto total no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil de 11 mil milhões de dólares (7,5 mil milhões de euros), entre 2009 a 2016, 42 por cento desse total serão sentidos em outras regiões do país.

A maior parte dos salários pagos (50,9 por cento) e dos empregos criados (53,1 por cento) vai beneficiar pessoas que moram além das fronteiras do Rio de Janeiro.

“A realização dos jogos olímpicos e paraolímpicos não se trata apenas de um projeto para o Rio, mas para o Brasil em geral, porque o investimento é feito no Rio, porém se irradia para todo o país”, afirmou o ministro do Desporto, Orlando Silva.

No período entre 2017 a 2027, os investimentos para os jogos continuarão a ter um impacto na economia brasileira de cerca de 13,5 mil milhões de dólares (9,2 mil milhões de euros).

Os gastos públicos e privados devem gerar igualmente um aumento da arrecadação de impostos equivalente a 97 por cento do total do investimento necessário para a realização dos jogos, até 2027.

“Em outras palavras, os investimentos na realização das Olimpíadas retornam aos cofres públicos ao longo do tempo, com a arrecadação tributária”, refere o estudo.

O secretário de Alto Rendimento do Ministério do Desporto, Ricardo Leyser, salienta que esse resultado demonstra não haver “contradição entre investir nos jogos e investir em escolas, hospitais, postos policiais e outras necessidades da população”.

“A função da política pública de investimento é exactamente alocar recursos onde existe a possibilidade de esta iniciativa gerar transformações socioeconómicas relevantes, que é o caso dos jogos”, disse.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.