Vulcão em erupção no Iémen

Helicóptero da Marinha Portuguesa procura desaparecidos na ilha Jazirat


 

Lusa/AO   Internacional   2 de Out de 2007, 08:06

O helicóptero da fragata Álvares Cabral da Marinha Portuguesa está hoje a tentar localizar duas pessoas ainda dadas como desaparecidas na Ilha de Jazirat, Iémen, onde um vulcão entrou em erupção, disse à Lusa o comandante da fragata.
“O nosso helicóptero já está no ar para tentar localizar as duas pessoas que, segundo as autoridades do Iémen, estão desaparecidas”, adiantou à agência Lusa o comandante Sousa Pereira.

    Na segunda-feira o helicóptero da fragata Álvares Cabral da Marinha Portuguesa detectou um sobrevivente e ajudou a resgatar outras três pessoas na ilha de Jazirat.

    A operação foi levada a cabo pela fragata portuguesa quando se dirigia para o canal do Suez, pelo Mar Vermelho.

    A fragata Álvares Cabral está integrada numa Força Naval da NATO - Standing Nato Maritime Group One (SNMG1) - no âmbito de uma viagem de circum-navegação pelo continente africano.

    Em declarações hoje à agência Lusa, o comandante Sousa Pereira contou que presenciaram a erupção vulcânica - que se deu a 30 de Setembro - e como estavam perto foi-lhes solicitada ajuda.

    “A frota recolheu alguns sobreviventes e corpos mas não gostaria de os enumerar uma vez que essa informação é da responsabilidade das autoridades iemenitas”, salientou.

    “O que fizemos foi sempre que detectávamos algum corpo assinalávamos a posição e depois era enviado um bote para a recolha na água”, contou.

    O comandante Sousa Pereira disse ainda que a fragata Álvares Cabral “é a única que possui um helicóptero embarcado e por isso dá uma maior flexibilidade na cobertura da área”.

    “Hoje o helicóptero Super Linx da Marinha já está no ar para uma missão de duas horas para conseguirmos detectar algum corpo”, referiu.

    A erupção ocorreu domingo no ilhéu oval de Jabal al-Tair (Montanha do Pássaro), com uma área de cerca de três quilómetros - a 115 quilómetros da costa - e desabitado excepto numa zona onde funcionava uma pequena base militar iemenita para controlo do fluxo marítimo.

    A base foi imediatamente evacuada mas, segundo informações oficiais, dos 29 militares ali destacados, dez ficaram inicialmente por localizar.

    A “Montanha do Pássaro” - um dos numerosos ilhéus vulcânicos no sul do Mar Vermelho, entre o Iémen e o Sudão - teve a sua última erupção em 1883, em registo do Programa Global de Vulcanismo do Instituto Smithsonian, sedeado em Washington.

    Durante as duas últimas semanas foram sentidos na região abalos telúricos com uma magnitude de 2 a 3,6 na escala de Richter.

    A erupção de domingo foi antecedida de três sismos com uma magnitude de 4,3, na escala de Richter.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.