Greenpeace bloqueia entrada central nuclear espanhola em protesto


 

Lusa/AOonline   Internacional   20 de Nov de 2008, 11:19

Activistas da Greenpeace bloquearam ao início da manhã desta quinta-feira a entrada da central nuclear de Garoña (Espanha) exigindo o fecho imediato desta central e o fim do programa de energia nuclear espanhol.
Cerca de 60 activistas da organização ambiental participam no protesto, que envolveu a colocação, cerca das 6:00 locais (5:00 em Lisboa) de um contentor amarelo onde se pode ler a frase “anti-nuclear”.

    Dois activistas estão presos numa estrutura metálica instalada no topo do contentor onde foram atingidos por jactos de água lançados por funcionários da central nuclear que os pretendiam obrigar a abandonar o local.

    No interior do contentor, explica a Greenpeace, estão pelo menos uma dezena de outros activistas que estão preparados para resistir “o tempo que for necessário”.

    A acção de protesto insere-se na campanha “Eu sou anti-nuclear”, que exige que o governo espanhol cumpra as promessas do fecho de todas as centrais nucleares em Espanha.

    “Chegou a hora do governo socialista cumprir o seu compromisso de fechar Garoña e as restantes centrais nucleares”, explicou hoje Juan López de Uralde, director executivo da Greenpeace em Espanha.

    Inaugurada em 1971, a central de Garoña é considerada pelos ambientalistas “totalmente obsoleta”, afectada “por grandes problemas de segurança”.

    Apesar do seu contrato de exploração terminar em Julho de 2009, a empresa que gere a central - a Nuclenor (detida em partes iguais pela Endesa e pela Iberdrola) - pediu já uma extensão na concessão por mais 10 anos.

    Rejeitando essa hipótese, a Greenpeace sustenta que a central apenas contribui com 1,28 por cento do total de energia gerada em Espanha anualmente e que só o aumento da produção de energia renováveis entre 2006 e 2007 colmataria o fecho da central de Garoña.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.