Governo tem de vender 4% da EDP para cumprir meta das privatizaçõe


 

Lusa / AO online   Economia   29 de Nov de 2007, 15:29

O Governo tem de vender 4 por cento do capital da EDP para cumprir a meta orçamentada de 950 milhões de euros de receitas de privatizações, de acordo com os cálculos da agência Lusa e com a cotação desta quinta-feira das acções da eléctrica portuguesa.
O conselho de ministros de hoje aprovou uma resolução que diz que o Governo irá privatizar entre 3,69 e 5,0 por cento do capital da EDP - Energias de Portugal.

Para o conjunto de 2007, o Governo tinha orçamentado receitas de privatizações de 950 milhões de euros.

Até agora ainda só encaixou 275 milhões de euros com a privatização de parte das Redes Energéticas Nacionais (REN), pelo que para cumprir esta meta precisa de mais 675 milhões de euros até ao final do ano.

Avaliando as acções da EDP ao preço de hoje da bolsa de Lisboa (4,62 euros), essa receita de encaixe seria alcançável com a venda de apenas 4 por cento da empresa, de acordo com cálculos da Lusa, relativos a 146,1 milhões de acções.

Questionado sobre a previsão de encaixe com esta operação de privatização da EDP, o secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Carlos Costa Pina, disse à agência Lusa que, dado o programa de 950 milhões de euros de privatizações e o encaixe já obtido com a REN, o Estado quer agora encaixar a diferença (675 milhões de euros).

De fora deste programa de privatizações está a Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), apesar do perdão da dívida de Portugal a Moçambique ser contabilizado como uma operação de saneamento de uma empresa para privatização.

A 27 de Novembro, Portugal recebeu 700 milhões de dólares (cerca de 476 milhões de euros) pela venda de 67 por cento de Cahora Bassa ao governo moçambicano

Sendo uma privatização, a verba recebida do Estado moçambicano será utilizada na redução da dívida pública.

Em Setembro, o Governo reviu em baixa a meta da dívida pública para 2007, de 68 para 64,4 por cento do PIB, o que traduz uma redução de cerca de 5,8 mil milhões de euros, para 104,6 mil milhões de euros.

O valor conseguido com o total das privatizações, que ascende a 1,4 mil milhões de euros, representa, apenas, cerca de um quarto da redução da dívida.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.