Governo dos Açores acusa PSD de defender privatização de 51% da SATA

Governo dos Açores acusa PSD de defender privatização de 51% da SATA

 

Lusa/AO Online   Regional   27 de Nov de 2018, 15:08

O presidente do Governo dos Açores acusou, esta terça-feira, o novo líder regional do PSD de defender que o executivo perca o controlo da Azores Airlines, que assegura as ligações aéreas entre a região e o exterior.

“Que razões estão por detrás de um partido político, que se diz o maior partido da oposição, que até a um determinado momento dizia: nós defendemos que se deve vender 49% da Azores Airlines e não se deve tocar na SATA Air Açores? Por que razão é que repentinamente esse partido passa a dizer o seguinte: os açorianos devem prescindir de terem a maioria para mandar no capital da SATA Internacional e devem prescindir de 49% de SATA Air Açores?”, adiantou.

Vasco Cordeiro falava na Assembleia Legislativa dos Açores, na Horta, durante a discussão da proposta de Plano e Orçamento da Região para 2019, em reação a declarações do líder do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio, na semana passada, à saída de um encontro com o presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada, Mário Fortuna.

Questionado sobre uma proposta dos empresários micaelenses para que o executivo açoriano privatizasse 51% da Azores Airlines e 49% da SATA Air Açores, que assegura as ligações inter-ilhas, o social-democrata admitiu avaliar essa hipótese.

“Não merece o nosso repúdio. É uma proposta a avaliar, mas numa primeira análise parece-nos positivo. Da parte do PSD/Açores estamos disponíveis para consensos e para arranjar soluções”, avançou Alexandre Gaudêncio.

Vasco Cordeiro salientou que o ex-líder social-democrata e deputado regional, Duarte Freitas, defendeu há não muito tempo que se deveria privatizar apenas 49% da Azores Airlines e que a SATA Air Açores deveria continuar 100% pública, por isso perguntou ao maior partido da oposição o que mudou no espaço de um mês.

“A mando de quem já se percebeu, basta ver a notícia, mas porquê? O que é que os senhores sabem que nós não sabemos e que mais nenhum dos açorianos sabe, para defender que aquilo que era verdade com a venda de 49% agora deve ser 51%? Nós devemos dar o controle sobre a Azores Airlines a um privado?”, questionou.

Em resposta, o novo líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Maurício, disse que o presidente do partido “não se comprometeu” com a proposta da Câmara de Comércio de Ponta Delgada, defendeu apenas que deveria ser considerada com vista à “salvação da SATA”.

“Aquela proposta não é a proposta do PSD, é uma proposta que o PSD considerou como válida analisar como qualquer outra proposta que outros parceiros e outras entidades venham a apresentar, com o único objetivo que a SATA seja salva, porque a continuar como está a SATA vai fechar as portas”, frisou.

Questionado sobre o que mudou no último mês, Luís Maurício destacou a anulação do concurso da privatização de 49% da Azores Airlines, anunciado pelo executivo açoriano no início de novembro, na sequência da divulgação de documentos confidenciais.

“Aquilo que mudou na SATA, para além do reconhecimento da sua falência, foi o reconhecimento de que afinal ninguém estava interessado na SATA e que houve um concurso para a alienação de 49% da SATA Internacional que ficou vazio”, afirmou.

Segundo notícias da RTP/Açores, que citavam documentos privados da comissão de inquérito do parlamento açoriano ao setor empresarial público, não havia uma proposta formal apresentada pelos islandeses da Icelandair, única entidade qualificada para a segunda fase da alienação, mas sim o intuito de abrir um período de negociações com a SATA.

Questionado pelo PSD e pelo PPM sobre o processo de privatização da companhia aérea açoriana, o presidente do Governo Regional disse que não era isso que estava a ser discutido no parlamento.

“O PSD sabe muito bem o que aconteceu com o concurso”, rematou.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.