Governo diz que região reduziu importação anual de hortícolas em 3,5 ME

Governo diz que região reduziu importação anual de hortícolas em 3,5 ME

 

Lusa/AO online   Regional   12 de Out de 2011, 18:48

Os Açores reduziram “em cerca de 3,5 milhões de euros anuais” a importação de produtos hortícolas devido ao aumento da produção interna, que "quadruplicou nos últimos três anos”, afirmou hoje o secretário regional da Agricultura, Noé Rodrigues.

“No atual Quadro Comunitário de Apoio [QCA] já aprovamos 62 projetos, maioritariamente para jovens produtores, com um investimento de cerca de oito milhões de euros, que é quatro vezes mais se comparado com o QCA anterior”, frisou o secretário regional, que falava aos jornalistas no final de uma visita a duas explorações de hortifruticultura em Angra do Heroísmo.

Noé Rodrigues manifestou-se satisfeito pelo facto de “já existir nestas explorações um elevado grau de qualidade e inovação”, acrescentando que "o comércio e a distribuição precisam de saber que já há capacidade de produção local que substitui as importações e que os produtos são de qualidade e garantem elevada segurança alimentar".

Nestas visitas, responsáveis pelas grandes superfícies comerciais da Terceira observaram uma exploração de hortícolas com o sistema de bioponia (sem recurso à utilização do solo) e outra de produção no solo com sistema de rega, ambas em estufas.

Pedro Toste, produtor em sistema de bioponia, realçou que os produtores locais “vendem tudo a preços mais baratos que os da importação, porque eles têm o custo do transporte que encarece o produto”.

A exploração que possui produz 10 mil pés de alface numa semana e na última campanha produziu seis toneladas de morango, estando a decorrer testes para a produção de tomate, beringela, pepino, acelgas, agrião, aipo e pimento.

Por seu turno, Paulo Rico, que produz na terra com sistema de rega, regista anualmente uma produção de 50 toneladas de batatas, alfaces, morangos, feijão verde e pepino.

“Tenho vindo a aumentar a produção como forma de compensar a descida dos preços que se tem verificado ao consumidor e também pelos custos dos intermediários, que ganham mais de 50 por cento”, salientou este produtor.

Para Noé Rodrigues, o “objetivo é aumentar as produções hortícolas, durante todo o ano” com o uso das estufas, esperando que “os comerciantes e distribuidores aproveitem para as absorver, porque o mercado existe”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.