Comunidades

Governo diz que fará o possível para ajudar família que Canadá quer deportar


 

Lusa/AO online   Nacional   26 de Dez de 2011, 11:31

O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, garantiu que fará "os possíveis" para ajudar a família portuguesa que deverá ser deportada do Canadá na quinta-feira, receando contudo que a decisão das autoridades canadianas seja irreversível.
"Os canadianos são extremamente liberais, mas muito rígidos no cumprimento da legislação. Trata-se de uma família que já tinha a deportação determinada desde 2007 e que foi utilizando sucessivos recursos, nomeadamente a evocação do estatuto do refugiado, o que adiou a decisão, mas não ajudou. Temo que estejamos confrontados com uma decisão final, mas vamos fazer os possíveis para tentar ajudar aquela família", disse José Cesário.

As autoridades canadianas decretaram a deportação de uma família portuguesa composta por 10 pessoas de três gerações, marcando a viagem para Lisboa para 29 de Dezembro.

A família Sebastião, que chegou ao Canadá em 2001, inclui o casal Paul, 46 anos, e Maria, 44, os filhos, Marília, 27, Vanessa, de 23, Paul Jr, de 19, e Beatriz, 13, e os quatro netos nascidos no Canadá com menos de cinco anos.

As crianças têm nacionalidade canadiana e não estão sob ordem de expulsão.

"Estamos, através do consulado e da embaixada, a tentar obter o máximo de informações junto das autoridades canadianas para ver se ainda há alguma forma de adiar a decisão", disse José Cesário.

De acordo com o jornal Toronto Sun, que deu a notícia, a família chegou em 2001 ao Canadá, tendo-lhe sido decretada a deportação em 2007, altura em foi detectada pela polícia em situação de ilegalidade.

Na altura, para tentar adiar a decisão, foi pedido o estatuto de refugiado, que lhes foi negado, tendo depois sido tentada a permanência no país com base em razões humanitárias, o que também foi recusado, em 2011.

O advogado da família disse ao jornal que estão esgotadas as possibilidades de recurso, sublinhando que os Sebastião estão no Canadá há dez anos e nunca viveram de prestações sociais, tendo os netos já sido educados naquele país.

José Cesário disse que a família é de origem açoriana e, caso se confirme a deportação, deverá "ser enquadrada à chegada pelas autoridades locais".

As deportações de portugueses ilegais dos Estados Unidos e Canadá são recorrentes, sendo da ordem das dezenas todos os anos, mas advogados e funcionários de imigração de Toronto afirmam não se recordar de tantos elementos de uma família serem deportados de uma só vez.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.