Face Oculta: Portucel abre investigação interna para apurar relações de funcionários com empresas de Manuel Godinho


 

Lusa/AO Online   Nacional   1 de Nov de 2009, 14:00

O grupo Portucel Soporcel desencadeou "um processo de levantamento exaustivo das relações eventualmente existentes" entre os seus funcionários e as empresas de Manuel Godinho, principal arguido do processo Face Oculta, informou hoje o grupo, em comunicado.

"A Direcção de Auditoria Interna irá prosseguir com o levantamento já em curso e a Comissão Executiva irá solicitar junto das Entidades Judiciárias toda a informação que possa ser obtida", lê-se no comunicado.

A empresa da indústria do papel vai "desencadear os processos disciplinares internos que se justifiquem, caso venham a ser apurados factos que confirmem a ligação de qualquer funcionário das empresas que integram o actual Grupo Portucel Soporcel".

O grupo garantiu ainda que "estes processos serão levados até às últimas consequências, dentro do quadro normativo aplicável".

Manuel José Godinho foi a única pessoa detida durante a operação "Face Oculta", realizada na quarta-feira pela PJ em vários pontos do país, no âmbito de uma investigação relacionada com alegados crimes económicos de um grupo empresarial de Ovar que integra a O2-Tratamento e Limpezas Ambientais, a que está ligado aquele empresário.

No decurso da operação foram efectuadas cerca de 30 buscas, domiciliárias e a postos de trabalho, e 14 pessoas foram constituídas arguidas, incluindo Armando Vara, vice-presidente do Millennium BCP, José Penedos, presidente da Rede Eléctrica Nacional (REN), e o seu filho Paulo Penedos, advogado da empresa SCI-Sociedade Comercial e Industrial de Metalomecânica SA, de Manuel José Godinho.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.