Caxemira

Exército indiano retira 30 000 homens


 

Lusa/AO Online   Internacional   18 de Dez de 2009, 17:35

O exército indiano anunciou hoje que vai retirar 30 000 soldados de Caxemira, numa das mais importantes reduções do dispositivo militar dos últimos dez anos, após uma diminuição da violência na região disputada com o Paquistão.

«Retirámos duas divisões de infantaria responsáveis pelas tarefas de segurança interna», declarou em Nova Deli um porta-voz do exército, coronel Om Sing, avaliando o número de homens em «cerca de 30 000».

Trata-se de uma das retiradas mais importantes desde 1999, quando a Índia e o Paquistão se confrontaram durante seis semanas numa guerra não declarada que causou um milhar de mortos dos dois lados.

A parte de Caxemira sob administração indiana é há 20 anos palco de uma rebelião da maioria muçulmana contra o domínio indiano, que causou mais de 47 000 mortos.

O coronel Singh indicou que o número de soldados destacados ao longo dos 746 quilómetros da «linha de controlo» - a fronteira de facto entre Caxemira sob controlo indiano e sob controlo do Paquistão - não foi reduzido.

«Eles não podem ser retirados (da zona) porque se trata de um destacamento permanente», declarou, recusando-se a precisar o número.

Os peritos avaliam em cerca de 120 000 o número de soldados indianos estacionados ao longo da linha de controlo e em várias centenas de milhares o destacamento militar indiano em toda a região de Caxemira.

A violência diminuiu na zona desde que a Índia e o Paquistão iniciaram um processo de paz em 2004 e que o governo indiano anunciou a sua vontade de entregar as operações de segurança de rotina à polícia.

O diferendo territorial entre os dois países, que reivindicam a soberania sobre Caxemira, remonta à divisão de 1947.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.