Gronelândia

Estados Unidos perderam bomba atómica debaixo do gelo


 

Lusa/AOonline   Internacional   11 de Nov de 2008, 11:33

Os Estados Unidos perderam uma bomba nuclear debaixo do gelo no norte da Gronelândia, na sequência da queda de um dos seus bombardeiros há 40 anos, revelou a BBC.
Segundo documentos desclassificados, obtidos graças à Freedom of Information Act (lei norte-americana que permite às agências federais divulgar os seus documentos), os norte-americanos nunca conseguiram localizar a bomba, apesar das buscas efectuadas perto da base aérea de Thulé, onde se despenhou em 1968 um bombardeiro estratégico B-52 com quatro bombas nucleares a bordo.

    Thulé, construída em plena guerra-fria nos inícios da década de 1950, é a base mais setentrional da Força Aérea norte-americana, considerada de grande importância estratégica e elemento-chave da cadeia de radares do NORAD (sistema de vigilância do espaço aéreo dos Estados Unidos).

    A 21 de Janeiro de 1968, um B-52 despenhou-se no gelo a alguns quilómetros de Thulé e as equipas de investigação conseguiram apenas recuperar três das quatro bombas nucleares que seguiam a bordo da aeronave.

    Em Abril do mesmo ano, buscas submarinas realizadas para localizar a quarta bomba revelaram-se infrutíferas.

    Segundo a BBC, responsáveis norte-americanos estimam que a radioactividade deve ter-se dissolvido na imensa massa de água da região, impedindo qualquer perigo de contaminação.

    A presença de armas nucleares na Gronelândia, território autónomo sob administração da Dinamarca, foi guardada secretamente, assim como a natureza das buscas efectuadas para localizar a bomba.

    O Departamento de Estado dos Estados Unidos absteve-se até ao momento de comentar a informação da BBC, depois de ter indicado, antes da divulgação da notícia, que as quatro bombas nucleares haviam sido destruídas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.