Esperança de vida aumentou seis anos em duas décadas na União Europeia

Esperança de vida aumentou seis anos em duas décadas na União Europeia

 

Lusa/AO Online   Internacional   16 de Nov de 2012, 10:35

A esperança de vida à nascença nos países da União Europeia (UE) aumentou mais de seis anos em duas décadas, com uma média em 2010 de 75,3 anos para os homens e 81,7 anos para as mulheres.

Segundo um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) hoje divulgado, no triénio 2008-2010, Portugal tinha uma esperança de vida à nascença mais elevada que a média da UE, com 82,6 anos para as mulheres e 76,5 para os homens.

Dos 27 países, a França tinha a esperança de vida mais elevada para as mulheres (79,4 anos), enquanto a Suécia tinha a mais alta para os homens (79,4).

Já a mais baixa esperança de vida à nascença foi observada na Bulgária e na Roménia para as mulheres (77,3 anos) e na Lituânia para os homens (67,3 anos).

No relatório da OCDE sobre a saúde em 2012, regista-se que a diferença da esperança de vida mais baixa e mais elevada é de oito anos nas mulheres e de 12 anos para os homens.

“Continuam a existir grandes desigualdades na esperança de vida entre os grupos socioeconómicos. Tanto no caso dos homens como das mulheres, as pessoas com níveis de educação mais elevados irão provavelmente viver mais tempo”, refere o documento.

Na generalidade dos países da União Europeia, verifica-se que as doenças crónicas têm vindo a aumentar a prevalência, nomeadamente na asma, diabetes e demência.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.