Imobiliário

Escritórios menos atractivos que imobiliário para comércio


 

Lusa / AO online   Economia   29 de Nov de 2007, 16:08

Os escritórios em Portugal são hoje menos atractivos para os investidores do que o segmento imobiliário de comércio a retalho, em particular para os investidores estrangeiros, indicou Neville Moss, director da Jones Lang Lasalle.
Falando na Conferência sobre Fundos de Investimento Imobiliário, organizada pela associação do sector e a decorrer em Lisboa, Moss adiantou que 58 por cento do investimento no imobiliário para retalho em Portugal é destinado a centros comerciais e os supermercados não representam mais de 11 por cento.

O director da Jones Lang Lasalle disse que Portugal tem dos centros comerciais com melhor qualidade da Europa e afirmou que o número de centros comerciais por habitantes em Portugal é superior à média europeia, ficando apenas atrás da Suécia, Holanda, Irlanda, Reino Unido, França e Espanha.

Neville Moss salientou que a crise do crédito imobiliário de alto risco nos Estados Unidos levou a rever em baixa as perspectivas de crescimento económico europeu entre 2007 e 2009 e deverá acentuar-se a perspectiva de abrandamento dos rendimentos do imobiliário, que já existia antes da crise.

Indicou que o imobiliário novo resistirá melhor do que o usado mas os impactos da crise do crédito imobiliário ainda são incertos, considerando, no entanto, que os escritórios estão mais expostos à crise e o sector do imobiliário para retalho deverá resistir melhor.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.