Entender efeitos dos nutrientes pode desvendar mais sobre o cérebro

Entender efeitos dos nutrientes pode desvendar mais sobre o cérebro

 

Lusa/AO online   Ciência   18 de Nov de 2013, 09:19

Uma equipa de investigadores, que integra um português, descobriu uma nova forma de estudar os efeitos que cada nutriente dos alimentos tem no cérebro e no comportamento.

O “novo método”, pulicado na revista científica Nature Methods, estabelece uma forma de controlar a composição nutricional da comida ingerida pela mosca da fruta, uma investigação conjunta da Fundação Champalimaud (Portugal), da University College London, da King’s Collegge London, da University of Michigan e do Max Planck Institute.

Em declarações à agência Lusa, o cientista Carlos Ribeiro explicou que o estudo vem permitir perceber como é que as alterações nos níveis de determinados nutrientes na dieta da mosca da fruta podem resultar em alterações no cérebro e no comportamento deste organismo.

“A comida que consumimos afeta todos os aspetos da nossa vida, incluindo o envelhecimento, a fertilidade, a esperança de vida, o estado mental e o comportamento”, segundo o especialista, que indica que este novo método permite estudar cada nutriente, de forma isolada, e como cada um afeta os vários aspetos da vida.

Ao nível molecular, a composição da comida é de uma complexidade que torna difícil compreender quais são os nutrientes capazes de afetar o bem-estar.

“Se queremos saber porque nos sentimos mais leves quando comemos um vegetal do que um bife, é muito difícil saber o que no bife faz a diferença”, exemplificou.

Os investigadores criaram uma comida artificial, que tem a mesma qualidade do que a comida normal para as moscas. Sendo artificial, é possível retirar os componentes desejados para saber como influenciam o comportamento.

Esta comida artificial permite ainda que os vários investigadores internacionais que estudam tendo modelo a mosca da fruta possam usar a mesma formulação, em vez de dietas diferentes.

Daí que se tenham juntado várias equipas de investigação para desenvolver o método, que poderá levar a uma melhor compreensão do cérebro, através do estudo do efeito de cada nutriente.

“Analisámos o efeito que essa dieta tem no comportamento. Quando se tiram as proteínas, o comportamento muda completamente, por exemplo”, indicou Carlos Ribeiro, adiantando que outras equipas de investigação estão a estudar o efeito dos nutrientes na longevidade ou nas células estaminais.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.