Empréstimo obrigacionista da Saudaçor permite poupança de 26,8 ME para os Açores

Empréstimo obrigacionista da Saudaçor permite poupança de 26,8 ME para os Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   15 de Out de 2019, 05:47

A emissão do empréstimo obrigacionista da Saudaçor significa uma poupança de 26,8 milhões de euros em oito anos, que será canalizada para hospitais e unidades de saúde da região, afirmou o vice-presidente do Governo dos Açores.

Sérgio Ávila, que falava na sessão de admissão do empréstimo obrigacionista da Saudaçor (Sociedade Gestora de Recursos e Equipamentos da Saúde dos Açores) na Euronext Lisbon, que aconteceu hoje, em Ponta Delgada, afirmou que “a região vai pagar anualmente menos 3,3 milhões de euros no conjunto dos oito anos”.

“(…) Como é uma taxa fixa, registará uma poupança de 26,8 milhões de euros”, informa um comunicado remetido pelo Governo Regional.

O responsável pela pasta das Finanças da região avançou que esta poupança “irá permitir reforçar no mesmo montante as transferências para os hospitais e para as unidades de saúde de ilha”, isto é, a partir de 2020, “os hospitais e as unidades de saúde de ilha terão disponíveis mais 3,3 milhões de euros por ano”.

Segundo Sérgio Ávila, em 2020, também “está previsto um reforço das transferências para os hospitais e unidades de saúde de ilha de 26,5 milhões de euros face aos montantes de 2018”, consequência da capacidade de reestruturar os financiamentos e obtê-los com taxas muito mais baixas, anunciou o vice-presidente do Governo Regional dos Açores.

O governante realçou com esta emissão conseguiu-se obter uma taxa de juro fixa a oito anos apenas a 0,49%.

“Esta não é apenas uma taxa de juro que baixa, não é apenas uma avaliação extremamente positiva do mercado, o que fizemos aqui foi uma operação de refinanciamento, ou seja, de substituição de um financiamento por outro e conseguimos com esta operação, lançando-a no mercado, reduzir em seis vezes a taxa desse mesmo financiamento”, explicou o vice-presidente citado na mesma nota.

A emissão de dívida foi anunciada em 03 de outubro em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O executivo açoriano aprovou, em julho, o decreto legislativo regional que extingue a Saudaçor, no âmbito de uma reestruturação do setor público empresarial regional, anunciada em fevereiro de 2018, em que o Governo Regional anunciou a redução da sua participação direta ou indireta em 17 empresas.

“O decreto legislativo regional está já na Assembleia Legislativa dos Açores, está a seguir o seu caminho, mas enquanto não é extinta, nós desenvolvemos as operações financeiras que julgamos pertinentes para reduzir os encargos financeiros desta empresa. Uma coisa não invalida a outra”, salientou o Governo dos Açores em setembro.

À data do anúncio da intenção de extinção, a empresa pública regional tinha uma dívida de 640 milhões de euros, que será transferida para o executivo açoriano.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.