Ensino

Crise também deixou de fora centenas de professores e fechou escolas no sector privado

Crise também deixou de fora centenas de professores e fechou escolas no sector privado

 

Lusa/Aonline   Nacional   5 de Set de 2011, 08:10

O ensino particular viu-se obrigado a dispensar centenas de professores por causa da crise e, apesar de os estabelecimentos de topo estarem cheios, os mais pequenos enfrentam dificuldades que já levaram a encerramentos, por falta de alunos.

“Continuamos a ter unidades com uma procura muito grande, embora com alguma rotatividade porque há pessoas que não conseguem lá manter os filhos, mas outros estabelecimentos estão a sentir grandes dificuldades”, disse à agência Lusa o director executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP), Rodrigo Queiroz e Melo.

Embora sem ter números precisos sobre a “fuga” de alunos do ensino privado para o público, o responsável indicou que o setor privado apresentava uma linha em crescendo que “claramente não vai manter” este ano.

“Números ainda não temos, mas claramente não vai haver crescimento este ano”, assegurou.

Em consequência da crise, verificou-se também neste setor “uma diminuição significativa” de postos de trabalho entre funcionários e professores, particularmente neste último grupo, em maioria nos colégios.

Rodrigo Queiroz e Melo estima em centenas os professores dispensados no setor privado, em que já houve estabelecimentos a encerrar por falta de alunos, nomeadamente na margem Sul do Tejo, devido a dificuldades financeiras dos pais dos alunos.

“As famílias deixaram de ter capacidade para lá ter os filhos e os colégios vieram a reduzir turmas até não terem viabilidade económica”, explicou.

Também o Movimento de Escolas Privadas com Ensino Público Contratualizado (MEPEC) afirmou existir “alguma fuga destes colégios”, mas “não tão grande como nos estabelecimentos onde os pais têm de pagar a totalidade das mensalidades”.

Mesmo assim, alguns pais acabaram por retirar os filhos de colégios com contratos de associação com o Estado, em função da crise e da “instabilidade” provocada pela “incerteza” que resultou do corte no financiamento decidido pelo anterior Governo.

“Acabou por afetar e fazer com que os pais ficassem com algum receio. Em alguns casos até provocou redução de turmas”, disse à Lusa o presidente do MEPEC, Valter Branco.

No entanto, afirmou que de um modo geral foram abertas quase todas as 1.893 turmas previstas para este ano letivo no total dos colégios com contrato de associação.

A associação confia que o protocolo assinado em agosto com o Governo permitirá ter um ano sem sobressaltos.

“As escolas tiveram de se adaptar a novas condições no ano passado, tiveram de despedir professores. Em média, foram dispensados seis a sete professores” por estabelecimento, referiu.

Falta agora chegar a um entendimento com o Governo, diz a AEEP.

O acordo alcançado entre o Governo e o MEPEC para o financiamento dos contratos de associação estabelece 85.288 euros por turma para o ano letivo 2011-2012, montante inferior aos 90.000 pretendidos pelo setor, mas acima dos 80.000 determinados pelo anterior Governo.

No concurso deste ano para professores contratados nas escolas públicas, ficaram sem colocação cerca de 37 mil docentes, segundo estimativas dos sindicatos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.