Acidente

Coluna militar atropelada esta madrugada


 

Lusa / AO online   Nacional   4 de Dez de 2009, 09:59

Os militares que compunham esta sexta-feira a coluna, que foi atropelada numa estrada nacional em Tancos, Santarém, não usavam coletes reflectores disse à Lusa o porta-voz do Exército, tenente-coronel Hélder Perdigão, contrariando informações anteriores.
"Efectivamente não usavam colectes. Vinham dois elementos à frente e dois atrás para sinalizar a coluna militar, de forma gestual", explicou o porta-voz do Exército em declarações à Lusa.

O acidente que ocorreu cerca das 7:30 locais na estrada nacional, que atravessa o polígono militar de Tancos, causou 16 feridos, dois dos quais com gravidade.

Confrontado sobre a obrigatoriedade do uso de colecte reflector, o tenente-coronel Hélder Perdigão limitou-se a responder: "Esta situação vai servir para o Exército reflectir se é necessário adoptar algumas medidas".

O comandante do destacamento de Torres Novas da GNR , Pedro Reis, afirmou que o acidente ocorreu cerca das 7:30 e está a ser analisado pelo núcleo de investigação de acidentes de viação.

"Ao que tudo indica, o veículo ligeiro de mercadorias dirigia-se na direcção Tancos-Praia do Ribatejo e deparou-se com um indivíduo a fazer sinal para ele se desviar do sentido normal do trânsito, tendo o condutor efectuado essas manobra de recursos entrando na via de sentido contrário", disse.

De acordo com o comandante do destacamento de Torres Novas da GNR, o condutor foi submetido a testes para detectar substâncias psicotrópicas e álcool, que deram resultados negativos.

Entretanto, o tenente-coronel Hélder Perdigão disse ainda que o Exército está disponível para fornecer "todo o tipo de apoio" aos 16 militares que foram atropelados em Tancos.

Uma viatura ligeira atingiu esta sexta-feira de manhã uma coluna militar que se encontrava a fazer exercícios físicos na estrada de Constança, em Tancos, tendo atropelado 16 militares. Segundo o porta-voz do Exército, as vítimas faziam parte de um pelotão formado por 52 elementos, um dos quais do sexo feminino.

Entre os feridos encontram-se graduados e instruendos, tendo os formandos uma média de idades a rondar os 20 anos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.