Índia

Cirurgiões operam menina com quatro braços e quatro pernas

Cirurgiões operam menina com quatro braços e quatro pernas

 

Lusa / AO online   Internacional   6 de Nov de 2007, 10:50

Uma equipa de cirurgiões indianos está a operar uma menina de 2 anos que nasceu com quatro braços e quatro pernas, informou a cadeia televisiva indiana IBN.
Lakshmi Tatma nasceu unida pelo pélvis ao corpo do seu irmão gémeo que não se desenvolveu correctamente e acabou por ficar com o dobro dos membros.

A equipa de 36 cirurgiões iniciou terça-feira num hospital de Bangalore, no Sul da Índia, a operação que terá uma duração aproximada de 40 horas para tentar dar uma vida normal à menina, segundo informa a edição digital do Webindia.

Durante o dia de terça-feira, separaram com sucesso a coluna vertebral e a criança encontra-se estável com os médicos a afirmar que já passou a fase "mais critica".

Os cirurgiões pediátricos estão agora a separar os órgãos e mais tarde reconstruirão a zona da pélvis.

Antes da intervenção cirúrgica, o cirurgião-chefe, Sharan Shivraj Patil, alertou para a existência de "entre 20 por cento a 30 por cento de possibilidades de se perder a menina".

Patil soube do caso da menina, nascida numa região remota junto ao Nepal, e deslocou-se até ali para oferecer ajuda à família mas quando chegou deparou-se com a oposição de alguns habitantes da aldeia, que consideram a menina uma reencarnação de Lakshmi, a deusa hindu da riqueza, da sorte, do amor e da beleza.

Para além disso, o nascimento da menina coincidiu com um festival dedicado a esta deusa o que provocou uma crença maior nas gentes da terra de que se trata do regresso da divindade.

No entanto, os pais aceitaram a operação grátis com um valor estimado de 4.400 euros, já que no estado actual as probabilidades da menina sobreviver para além da adolescência eram muito reduzidas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.