Cidadão português encontrado morto na Tailândia e causa de morte está por apurar

Cidadão português encontrado morto na Tailândia e causa de morte está por apurar

 

Lusa/AO online   Nacional   11 de Mai de 2018, 11:11

Um cidadão português foi encontrado morto, na terça-feira, na Tailândia, um caso que está a ser investigado pelas autoridades e que aguarda ainda o resultado da autópsia ao corpo do jovem, segundo fonte oficial.

Fonte da secretária de Estado das Comunidades disse à agência Lusa que se trata de Julian David, um jovem que estava a estudar na Tailândia e que foi encontrado morto na terça-feira.

O jovem tem nacionalidade portuguesa e da África do Sul, país onde vivem familiares.

A família do cidadão está a ter apoio dos serviços consulares portugueses que, por seu lado, estão em contacto com as autoridades policiais e hospitalares.

A causa de morte ainda não é conhecida, aguardando-se o resultado da autópsia que ainda não foi realizada, segundo a mesma fonte.

O caso está entregue às autoridades competentes tailandesas, prosseguiu.

Na rede social Facebook, o pai do jovem tem apelado a uma investigação do caso, manifestando dúvidas sobre o afogamento como causa de morte, uma vez que Julian David terá sido encontrado morto na praia.

Num post colocado na quinta-feira, o pai de Julian David escreveu: “O Julian não se afogou. Ninguém nada com roupa (…). Outra coisa. Mas ninguém está a falar. Ele não tem tatuagens. Então, como é que o corpo dele ficou marcado?”.

O jornal tailandês Daily Hua Hin partilhou uma notícia sobre a morte do jovem, com várias fotografias do corpo na praia, rodeado de elementos das autoridades locais.

Na notícia datada de terça-feira, o jornal indica que se trata de “um homem português chamado David Julian Carlos, 22 anos de idade”.

David Julian Carlos estudava “numa universidade” na Tailândia, prossegue a notícia, na qual se lê que o jovem “foi campeão de natação”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.