Chávez admite não aprovação da reforma e fala de substituto


 

Lusa / AO online   Internacional   24 de Nov de 2007, 10:54

O presidente Hugo Chávez admitiu, sexta-feira, que o seu projecto de reforma da Constituição Nacional poderá não contar com a aprovação da maioria dos venezuelanos e advertiu os seus simpatizantes que, se isso acontecer, é necessário procurar um substituto.
    "Algum dia, me irei (embora), em 2012 haverá eleições. Faltam só cinco anos e vocês sabem que cinco anos passam a voar. Caso não se reformasse a Constituição já teríamos que ir pensando em quem vai me substituir", disse.

    Hugo Chávez falava, no Poliedro de Caracas, durante um encontro com milhares de membros do Poder Comunal (associações de vizinhos) a quem exortou a combater a abstenção, a sensibilizar os venezuelanos para irem votar "sim" no referendo de 2 de Dezembro.

    "Oiçam-me isto, que vos quero dizer com muita seriedade e com muita responsabilidade", disse.

    "Vamos supor que não se aprove a reforma. Se não se aprovar a reforma, no dia seguinte eu teria que entrar em profundas reflexões e teria que começar a preparar-me, porque cinco anos é nada, para ver quem assumirá o timão em 2013", prosseguiu.

    "Eu penso que se vai aprovar (a reforma) mas acho que há que fazer um grande esforço, em todos estes dias que faltam e preparar a maquinária para mobilizar todos, em cada esquina de cada povo", disse.

    Por outro lado, denunciou que o império norte-americano e a oposição "reactivaram planos" para o matar e advertiu que se isso acontecer, "arrepender-se-ão toda a vida", porque "não ficaria pedra sobre pedra" em Caracas.

    Hugo Chávez criticou os representantes das diversas igrejas cristãs da Venezuela por manterem uma posição pública contra a reforma constitucional.

    "O reino dos céus é o socialismo, a igualdade e a felicidade", enfatizou, dando vivas a Jesus Cristo, que disse ser "pai, líder e revolucionário".

    "Andam por aí uns farsantes a manipular... eram bispos católicos e agora saíram um supostos líderes evangélicos (...) Condeno-os aos infernos líderes farsantes. Vão com Satanás porque aqui está a proposta divina de Cristo, o redentor dos pobres", disse.

    Segundo o presidente venezuelano, "a grande maioria dos verdadeiros cristão evangélicos e dos verdadeiros católicos, estão com a reforma e vão votar pelo +sim+", disse.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.