CDS/Açores diz que escalas técnicas no aeroporto das Lajes caíram "drasticamente" após certificação

CDS/Açores diz que escalas técnicas no aeroporto das Lajes caíram "drasticamente" após certificação

 

Lusa/AO Online   Regional   18 de Jul de 2019, 17:33

O líder do CDS-PP/Açores disse esta quinta-feira que a certificação para uso permanente pela aviação civil do Aeroporto das Lajes, na ilha Terceira, não trouxe benefícios e que o número de escalas técnicas diminuiu “drasticamente”.

“A conclusão a que chegamos é que ficou tudo na mesma ou piorou. E piorou relativamente às escalas técnicas. As escalas técnicas diminuíram drasticamente por uma conjunção de esforços da SATA e da Força Aérea, que deliberadamente não aceitam e recusam escalas técnicas pedidas para as Lajes, que depois têm de derivar para outro aeroporto”, afirmou o líder regional centrista, Artur Lima, à margem de uma reunião com a direção da Aerogare Civil das Lajes.

Em 23 de julho de 2018, foi assinado um protocolo para a certificação para a utilização permanente pela aviação civil do Aeroporto Internacional das Lajes, onde estão a Base Aérea n.º 4, da Força Aérea Portuguesa, e o 65th Air Base Group, da Força Aérea norte-americana.

Um ano depois, Artur Lima alegou que as escalas técnicas e o estacionamento de aeronaves no Aeroporto das Lajes, que ainda não tem essa designação escrita na infraestrutura, continuam a exigir autorizações dos militares.

“O que é que a certificação civil fez? Nada. Eu acho que em vez de certificar a pista, militarizaram a aerogare. A única coisa que temos é a placa C, não temos mais nada. E depois usam a placa Alfa do outro lado, a pedido, se os senhores da Força Aérea estão bem dispostos, e a Eco, quando estão ainda mais bem dispostos”, salientou.

Segundo o líder regional centrista, têm sido recusadas escalas técnicas às terças-feiras, quintas-feiras e sábados e há até mesmo uma companhia aérea que aguarda por autorização para uma escala frequente.

“Foi pedido por uma companhia aérea – e isto é um escândalo – a operação de um A380 para escalar as Lajes, em escala técnica, de 15 em 15 dias. O pedido foi feito já há muito tempo e a Força Aérea ainda não respondeu. Um A380, o maior avião de passageiros do mundo, para escalar nas Lajes, a única pista nos Açores em que é possível”, frisou.

O também líder da bancada parlamentar do CDS na Assembleia Legislativa dos Açores disse que a justificação que terá sido dada oficiosamente à companhia aérea relacionada com a “envergadura da asa” não é válida, tendo em conta que operam nas Lajes o maior avião de carga do mundo e um avião militar de grande dimensão.

Artur Lima realçou que em 2019 as escalas técnicas nas Lajes foram “praticamente inexistentes”, alegando que até os chefes de Estado estrangeiros deixaram de passar pela ilha Terceira.

“Por uma questão de segurança, um chefe de Estado estrangeiro, quando vinha a Portugal ou para uma escala técnica parava na base das Lajes. Foram vários os que fizeram escala técnica aqui. Recentemente o presidente de Angola teve de fazer uma escala técnica e não veio para as Lajes”, apontou.

O dirigente centrista criticou ainda o facto de o aeroporto das Lajes ser “o único em Portugal” a não permitir o abastecimento de aeronaves com passageiros a bordo, considerando que isso afasta as escalas técnicas.

“Um avião que tenha de fazer uma escala aqui para se abastecer com passageiros a bordo demora 45 minutos, se tiver que desembarcar os passageiros demora uma hora e meia a duas horas. É mais caro, tem de pagar aerogare, tem de pagar transporte e depois 'queima' tripulações. Um avião que vá para os Estados Unidos, para a Califórnia, chega aqui, a tripulação tem as horas para chegar ao destino, se espera aqui duas horas em vez de 45 minutos, 'queima' as horas e não pode voar”, exemplificou.

A Lusa questionou, por escrito, a Força Aérea Portuguesa e a secretaria regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores, que até ao momento não responderam.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.