Cavaco apela a emigrantes para ajudarem no relançamento da economia

Cavaco apela a emigrantes para ajudarem no relançamento da economia

 

Lusa/AO Online   Economia   3 de Out de 2013, 08:35

O Presidente da República apelou aos portugueses residentes na Suécia que contribuam para o "desígnio" de relançamento da economia portuguesa e combate ao desemprego, sublinhando que a projeção de uma imagem externa positiva é uma tarefa coletiva.

 

"Espero que não estranhem que no atual contexto do nosso país eu apele a todos que contribuam para o desígnio maior de Portugal neste momento que é o relançamento da economia e o combate ao desemprego, ao mesmo tempo que tentamos tão rapidamente quanto possível reduzir os desequilíbrios das nossas contas públicas", afirmou o chefe de Estado português, Aníbal Cavaco Silva, durante uma receção à comunidade portuguesa, realizada num hotel de Estocolmo.

Considerando que aos portugueses que vivem fora de Portugal lhes cabe também a tarefa de ser "embaixadores do Portugal real", Cavaco silva pediu aos emigrantes na Suécia que corrijam as informações incorretas e que não correspondem à realidade transmitidas pela imprensa estrangeira. "Corrijam, ponham os pontos nos ‘ís'", apelou.

O chefe de Estado acrescentou que, apesar dos políticos também terem uma "grande responsabilidade" na projeção da imagem externa de Portugal, é necessário que todos deem o seu contributo.

"Precisamos de todos. Cabe-nos a todos neste momento em que queremos ultrapassar as dificuldades dar o contributo para passar de patamar de crescimento económico e de combate ao desemprego", sublinhou o Presidente da República, que iniciou na terça-feira uma visita de Estado de três dias a este país escandinavo.

Segundo Cavaco Silva, tudo aquilo que os portugueses espalhados pelo mundo possam fazer na projeção da imagem de Portugal "é extremamente positivo", na medida em que o motor da economia portuguesa neste momento são as exportações de bens e serviços.

Numa breve intervenção, o Presidente da República enfatizou igualmente os "grandes desafios" que Portugal atravessa, na sequência da crise económica e financeira de 2008, fazendo votos para que as instituições europeias "compreendam os esforços muito grandes que o país tem vindo a fazer".

Na receção à comunidade portuguesa, que contou com a presença dos reis da Suécia, o chefe de Estado agraciou ainda cinco membros da comunidade portuguesa residente no país.

As cinco personalidades condecoradas foram o professor universitário Amadeu Batel (comenda da Ordem do Infante D. Henrique), a Associação Lusitânia - Associação Portuguesa de Estocolmo (membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique), o engenheiro eletrotécnico José Marta e Silva (comenda da Ordem de Mérito), a investigadora e docente universitária Ana Rita Nordberg (oficial da Ordem do Mérito) e a empresária Teresa Lundahl (comenda da Ordem do Mérito Empresarial, Classe Industrial).

Antes da receção à comunidade portuguesa, o Presidente da República ofereceu ainda no mesmo hotel uma receção aos reis da Suécia, que têm acompanhado grande parte do programa da visita de Estado de Cavaco Silva.

Antes do almoço, o rei Carl XVI Gustavo e a rainha Sílvia, acompanhados pelos Cavaco Silva e a mulher visitaram demoradamente uma mostra de produtos portugueses e suecos na área do design e da moda, no Stockolm City Hall.

À tarde, os reis deslocaram-se também a Kista, considerada a "Silicon Valley" sueca, acompanhando a visita do Presidente da República e da mulher às instalações da Ericsson, onde Cavaco Silva ficou a conhecer vários projetos na área da inovação e possibilidades de cooperação com Portugal.

Na ocasião, a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, que integra a comitiva de Cavaco Silva na Suécia, fez igualmente uma apresentação da instituição que dirige.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.